No ritmo da amizade, Mancha Verde traz o samba do Fundo de Quintal para o Anhembi

  • Por Jovem Pan
  • 10/02/2018 03h39 - Atualizado em 10/02/2018 05h47
Adriano Henrique/Jovem PanUma das alas representou o bloco Cacique de Ramos, de onde surgiu o grupo Fundo de Quintal

Homenageando o grupo de samba Fundo de Quintal, a Mancha Verde foi a quarta escola a se apresentar no Anhembi. Puxado por 3.500 componentes, 20 alas e cinco alegorias, a apresentação representou também a amizade, de acordo com o discurso do presidente da agremiação, Paulo Serdan, que citou Moacir Bianchi, um dos fundadores da escola que foi assassinado no ano passado.

A Mancha Verde, inclusive, teve um carro com uma escultura no quarto carro que representou o ex-integrante da torcida, que “interagiu” com a torcida.

A rainha da bateria da escola, Viviane Araújo, muito elogiada, estava no ritmo do carro que representava o bloco Cacique de Ramos, de onde surgiu o Fundo de Quintal. Além da atriz e do grupo Fundo de Quintal, outra personalidade que marcou presença no desfile foi o ex-jogador César Maluco.

Também entre os destaques da Mancha Verde estava a ala das baianas, que homenageou Beth Carvalho, cantora de grande importância para o crescimento e visibilidade do grupo Fundo de Quintal.

Outro destaque do desfile da escola foi a torcida na região da dispersão. Os torcedores da agremiação ligada ao Palmeiras fizeram uma bonita festa com sinalizadores e bandeiras nas arquibancadas do Anhembi.

Confira as imagens do desfile da Mancha Verde: