Polêmica, águia e culto à beleza: veja o melhor do segundo dia de desfiles no RJ

  • Por Jovem Pan
  • 17/02/2015 05h59

Destaques do último dia do Carnaval no Rio de Janeiro

Destaques do último dia do Carnaval no Rio de Janeiro

Os desfiles do Carnaval do Rio de Janeiro chegaram ao fim na madrugada desta terça-feira (17) e seis escolas encerraram as atividades na Sapucaí. Confira abaixo os relatos de todas as agremiações que se apresentaram no último dia de folia na Cidade Maravilhosa:

– São Clemente – relato: “São Clemente abre segundo dia do desfile carioca com homenagem a carnavalesco”.

A São Clemente apresentou o enredo “A incrível história do homem que só tinha medo da Matinta Pereira, da Tocandira e da Onça Pé de Boi”, em homenagem ao falecido carnavalesco Fernando Pamplona.

– Portela – relato: “Portela homenageia Rio de Janeiro e mira fim de jejum de três décadas sem títulos”.

A Portela defendeu o enredo “ImagináRIO – 450 janeiros de uma cidade surreal”, uma homenagem ao aniversário de 450 anos da cidade do Rio de Janeiro.

– Beija-Flor – relato: “Beija-Flor homenageia país africano comandado por ditador e causa polêmica com desfile”.

Sem dúvidas o desfile mais polêmico do dia, a Beija-Flor apresentou o enredo “Um griô conta a história: Um olhar sobre a África e o despontar da Guiné Equatorial…”, que tratou da Guiné Equatorial, país conhecido pelo desrespeito aos direitos humanos e pela falta de respeito à liberdade de imprensa.

– União da Ilha – relato: “Com enredo original, União da Ilha ironiza busca pela beleza a qualquer custo”.

Quarta escola a desfilar na noite, a União da Ilha desfilou o enredo “Beleza Pura?”, no qual ironiza o culto à beleza a qualquer custo e a busca incessante por corpos perfeitos.

– Imperatriz Leopoldinense – relato: “Com as cores da África, Imperatriz faz discurso visual contra o preconceito”.

Penúltima agremiação a entrar na Sapucaí, a Imperatriz Leopoldinense buscou temáticas africanas para trazer à avenida o enredo “Axé-Nkenda – Um ritual de liberdade – E que a voz da igualdade seja sempre a nossa voz”. A escola, inclusive, prestou uma homenagem a Nelson Mandela, ex-presidente da África do Sul.

– Unidos da Tijuca – relato: “Fechando o Carnaval no Rio, Unidos da Tijuca homenageia Clóvis Bornay e Suíça”.

Encerrando as atividades na Sapucaí, a Unidos da Tijuca apresentou o enredo “Um conto marcado no tempo – O olhar suíço de Clóvis Bornay”, em homenagem ao carnavalesco Clóvis Bornay, falecido em 2005 e o idealizador do Baile de Gale do Theatro Municipal do Rio de Janeiro.