São Clemente abre segundo dia do desfile carioca com homenagem a carnavalesco

  • Por Jovem Pan
  • 16/02/2015 22h46
São Clemente faz homenagem a Pamplona

A São Clemente foi a primeira escola de samba a entrar na Sapucaí neste segundo dia do Carnaval carioca, que está com um público de 70 mil espectadores. O desfile começou pontualmente às 21h30, ao contrário do primeiro dia de desfile, que teve atraso por causa da chuva. O intérprete Igor Sorriso deu a largada com o grito de guerra: “Vamos com muita garra e alegria defender nosso pavilhão”.

Neste ano, a escola homenageia o carnavalesco Fernando Pamplona. Com as cores amarelo e preto, a São Clemente teve como destaque Raphaela Gomes, de apenas 16 anos, sendo a rainha de bateria mais nova a desfilar no Grupo Especial.

Com o tema “A incrível história do homem que só tinha medo da Matinta Pereira, da Tocandira e da Onça Pé de Boi”, também desfilaram no carro da velha guarda da escola a viúva de Pamplona, dona Zeni, e a carnavalesca da São Clemente, Rosa Magalhães.

As fantasias apostaram em franjas, folhagens e ráfias, proporcionando um volume gigante, principalmente se vista de cima da avenida. Mas as baianas se depararam com um agravante: cinco delas passaram mal pelo peso das fantasias e do calor.

Os carros focaram na arte do carnavalesco Fernando Pamplona, falecido em 2013, como o carro do Theatro Municipal, com assuntos e personagens relacionados com a cultura africana, como Xica da Silva e Zumbi dos Palmares. Até a Salgueiro foi lembrada na avenida com a ala Zumbi dos Palmares, que foi a primeira temática que Pamplona levou para a escola. Do carro abre-alas, que trouxe assombrações do folclore acreano, até a ala da limpeza, o desfile se destacou pela empolgação, exuberância de cores e fantasias volumosas.

Confira o samba-enredo da São Clemente:

Ê, menino bom
A luz da arte vai guiar seu coração
O vento sopra na mata fechada
E traz o medo de assombração
Tem a matinta, tocandira e a onça pé de boi ôôôô

Para o rio de janeiro, ele voltou
“Era um deslumbramento, meu sinhô!”
As marchinhas ganham vida
Tem confete, serpentina, arlequim e pierrot
Na avenida que era a sua inspiração
Onde o brilho da cultura foi morar
Segue a procissão do samba, se veste de bamba
Ao ver sua escola passar

Vem dos quilombolas, a revelação
Força africana, dom de celebrar
Vai ter reisado e visita ao gongá
“Pega no ganzê, pega no ganzá”
Meu rio se rende ao encanto
O encarnado e o branco em um sonho imortal
A saga desse mestre da folia

Recria a “história do carnaval”
Na tela, na escola da vida… Contesta, se faz professor
Valeu, por trazer a magia… Valeu, eterno sonhador
A corte se une, são chicos e xicas
De braços abertos pra te receber
Um brasil mestiço de todas as cores vem aplaudir você
Tocam surdos, tamborins pra te exaltar
O samba hoje vem te coroar
Artista do povo, orgulho da gente
Brilhando na são clemente