Como o clássico “Tubarão” pode solucionar um misterioso assassinato dos anos 70

  • Por Jovem Pan
  • 06/08/2018 10h05
Photo by MCA/Universal Home Video - © Copyright 1995 - Universal City Studios, Inc. - All rights reserved.Richard Dreyfuss, Roy Scheider e Robert Shaw em cena do filme

Essa história parece ter saído de um filme. Só que é real. Tudo começou em 1974 em Provincetown, Massachussetts, nos Estados Unidos. Em julho, uma mulher foi encontrada morta no meio de um matagal com sinais de crueldade. O corpo estava nu e havia sido mutilado. Surpreendentemente, a polícia local que trabalha no caso há mais de quatro décadas não conseguiu avançar nas investigações e ainda não identificou a vítima em questão. Acontece que esse mistério, que virou uma espécie de lenda urbana por lá, ganhou uma nova pista. E essa pista está em Tubarão, clássico de Steven Spielberg.

A reviravolta apareceu graças ao escritor Joseph Hillstrom King, mais conhecido como Joe Hill, filho de Stephen King. De acordo com o Telegraph, um podcast lançado recentemente sobre os bastidores da produção revelou uma teoria do autor de que a mulher assassinada, conhecida apenas como Senhora das Dunas, teria atuado como figurante no longa.

A semelhança física do retrato da vítima com uma das atrizes foi notada por ele ao assistir ao clássico anos atrás logo depois de ler The Skeleton Crew, livro de Deborah Halber sobre mistérios não resolvidos. Além dessa similaridade, alguns pontos da história também chamaram sua atenção. A breve cena em que a personagem aparece, por exemplo, foi gravada no mesmo ano do crime em Martha’s Vineyard, localidade próxima a Provincetown. Outra coincidência (ou não) é que, assim como a vítima, a figurante também usava uma bandana azul na cabeça.

O escritor contou que levou sua versão à polícia em 2015 e que o detetive Meredith Lobur, responsável pelo caso, interessou-se pela história. “Eu esperava que eles iriam me provocar. Em vez disso, ele levantou uma sobrancelha e disse: ‘sabe, pode valer a pena ir atrás disso’. Ele disse que ideias esquisitas já haviam solucionado casos estranhos antes”, declarou Hill. Até o momento, porém, nenhuma informação foi confirmada.