Diretor de “Em Ritmo de Fuga” revela que 95% das cenas de perseguição são reais

  • Por Adriano Sarafim/Jovem Pan
  • 24/07/2017 13h37 - Atualizado em 24/07/2017 13h40
O filme dirigido por Edgar Wright e protagonizado por Ansel Elgort estreia em 27 de julho nos cinemas do Brasil

O filme “Em Ritmo de Fuga” (Baby Driver) – que estreia no Brasil em 27 de julho –  já é considerado uma das melhores produções do ano e o diretor Edgar Wright e o protagonista Ansel Elgort falaram mais sobre o filme na manhã desta segunda-feira (24), em coletiva de imprensa realizada em São Paulo. Segundo o diretor britânico, ele quis mostrar as cenas de perseguição em alta velocidade com o máximo de realismo possível e que pelo menos 95% delas são reais.

“Ansel Elgort é realmente um grande motorista, tenho que dizer. 95% das cenas eram reais. Hoje nos filmes a maioria usa a tela verde, mas nós queríamos realismo nas cenas. Ele (Ansel) realmente entendia o que estava fazendo no volante”, elogiou Wright.

Elgort, famoso por estrelar o longa romântico “A Culpa é das Estrelas” e a saga “Divergente”, contou que não sentiu diferença em sair de um gênero mais suave para um mais frenético de ação. O ator explicou que fez questão de fazer grande parte das manobras com carro e que treinou incessantemente por um mês para aprender direção ofensiva.

Apesar de todo o treinamento, o norte-americano brincou que Wright não o deixou fazer algumas manobras para não acabar matando Jamie Foxx e John Hamm, seus companheiros de cena.

“Eles não me deixaram fazer todo os truques na pista. Acho que ficaram com medo de que eu matasse Jamie Foxx e John Hamm”, relatou. “Tive um mês para me prepara e muitos filmes não dão esse tempo. Em geral, você vê pessoas fazendo coisas aleatórias no volante. Edgar teve muita atenção a esses detalhes. Ele queria que as cenas fossem autênticas”, concluiu.

Um musical sob quatro rodas

O grande destaque de “Em Ritmo de Fuga” é como a trilha-sonora casa perfeitamente com as cenas de ação e também com cada personagem que aparece em tela. Edgar Wright explicou que todas as músicas já estavam no roteiro que desenhou em 2011 e que os atores estavam realmente escutando-as nas filmagens.

“Todas as músicas já estavam no roteiro que escrevi em 2011. Depois fomos conseguindo permissão para usá-las e quando começamos a filmar, pudemos coreografar as cenas com as canções. Os atores estavam realmente ouvindo as músicas nas cenas, mesmo nas cenas de ação”, reiterou. “Toda música que você ouvia tinha um efeito e era isso que eu queria”, ressaltou.

Wright também falou como chegou até o baixista Flea, do Red Hot Chili Peppers, para participar de “Em Ritmo de Fuga”. O diretor relembrou um fato engraçado envolvendo o lendário músico, Ansel Elgort e Jamie Foxx em uma das cenas de perseguição.

“Tinha uma cena em uma estrada que filmamos por um bom tempo e Jamie Foxx conectou o seu iPod para ficar ouvindo música e com Flea no banco de trás do carro. Em certo momento, começou a tocar “Give It Away” (clássico do RHCP) e Jamie começou a balançar muito a cabeça. Quando olho para trás, Flea estava fingindo estar tocando o baixo. Foi muito louco”, relembrou.

E como é trabalhar com um elenco de astros premiados como Jamie Foxx, Kevin Spacey e John Hamm? Elgort não escondeu que ficou bem nervoso, mas que todos foram muito receptivos e o ajudaram a dar o seu melhor em todas as cenas.

“Fique um pouco nervoso em trabalhar com essas lendas. Jamie (Foxx) já no primeiro dia me convidou para ir até a casa dele e também me chamou para jogar basquete. Eles me ajudaram a dar o meu melhor e eu amo esses caras”, completou.