‘Gretchen é mais que uma bunda’, diz Fontenelle sobre escolha de Mel Lisboa para cinebiografia

  • Por Eduardo F. Filho
  • 28/08/2018 15h54
Reprodução'Não é seleção para Panicat', brincou a diretora

Previsto para estrear ano que vem, o filme que contará a vida de Gretchen está em fase de produção e os nomes do clã Miranda, assim como os dos demais personagens, já estão sendo divulgados. Mel Lisboa, por exemplo, será a protagonista. Em entrevista exclusiva à Jovem Pan, Antônia Fontenelle, a diretora, contou os motivos pelos quais escolheu a atriz.

“Ela é uma menina visceral, ganhadora de vários prêmios, fez a Rita Lee brilhantemente, e o principal: ela não é uma figura gasta na TV. Eu não gosto de ir para o cinema e ver cara de TV”, disse.

Ela também afirmou que sofreu criticas por escolhê-la para o papel, pois a atriz não é compatível com um famoso atributo físico da biografada. “O Brasileiro é um negócio de f*** mesmo, eu não estou buscando bunda entendeu? Não é seleção para Panicat. Eu vou contar a história de uma atriz, de uma mulher forte, de uma pessoa que é ícone no nosso país e de várias gerações. Eu preciso de uma atriz para isso, não de uma bunda rebolando. A Gretchen é muito mais do que apenas uma bunda”.

Fontenelle revelou ainda que fez questão de estar presente em todas as etapas, inclusive nos testes – que a produção quase a deixou de fora. “Eu jamais faria isso, é um momento crucial para você saber quem tem que estar ali e quem não tem”.

Segundo ela, esse teste era composto de uma coreografia de Conga e, por sua determinação, uma cena dramática sobre o nascimento e o falecimento de um dos gêmeos que morreu nos braços da artista na maternidade. “As candidatas chegaram todas com a coreografia já pronta. As pessoas a veem dançando apenas e ela não é isso. Eu vou mostrar que ela não é só isso, que é muito mais”.

Cleo, Lucy Ramos, Juliana Paes, Giovanna Antonelli e Emanuelle Araújo eram outros nomes escalados para viver a protagonista.

Outros nomes também foram confirmados no elenco. Lívia Maria interpretará a mãe de Gretchen na segunda fase; Carolina Oliveira será o primeiro affair de Thammy, chamada de Rosa; e Tonico Pereira fará o papel de um pastor que é chamado pela família para exorcizar a menina depois que ela se revela homossexual.

Essa será a estréia de Antônia Fontenelle nos cinemas. Ela aceitou comandar um filme pela primeira vez a pedido da própria Gretchen. “Eu estou estudando muito agora para esse projeto, mas eu sei muito bem o que eu quero, o roteiro está pronto. E eu acho que ninguém precisa saber de tudo, mas a minha parte de direção eu sei que vou fazer bem”, afirmou, garantindo não deixar nenhum momento da vida da rainha do rebolado de fora do projeto. Um dos pontos altos, inclusive, será a violência doméstica que ela sofreu.

O projeto começou a ser discutido há quatro anos. Os direitos autorais já estavam com um produtor, mas não foi para a frente. O convite de Katy Perry para estrelar o Lyric Vídeo de Swish Swish ressuscitou as conversas entre as duas, que colocaram os planos em ação.

“O enredo está maravilhoso. Estou trabalhando com uma equipe linda. Não me acovardei, a gente só sabe se vai dar certo quando a gente faz, não é mesmo? Estou trazendo uma equipe de gente grande para realizar esse projeto brilhantemente”, emocionou-se.

O longa será dividido em duas fases. A primeira contará a infância de Gretchen e do grupo formado com suas irmãs, Sula e Yara (As Melindrosas). A segunda terá inicio após a separação do grupo e a transformação de Maria Odete na estrela.