Promotora de caso retratado em série da Netflix renuncia ao cargo em universidade

  • Por Jovem Pan
  • 13/06/2019 16h49
Reprodução/New York PostElizabeth Lederer, promotora do caso retrato em "Olhos Que Condenam", renunciou ao cargo Universidade de Columbia

O sucesso de “Olhos Que Condenam”, série da Netflix baseada na condenação injusta de cinco adolescentes negros, motivou protestos de estudantes da Universidade de Columbia, em Nova York.

Os alunos da Associação de Estudantes Negros de Direito acusaram Elizabeth Lederer, promotora do caso e professora na universidade, de racismo. Após pressionar a faculdade para removê-la do corpo docente, a própria professora renunciou ao seu cargo nesta quarta-feira (12).

Linda Fairstein, a outra promotora do caso que incriminou os jovens, também enfrentou os impactos da estreia da série. Ela abandonou sua ocupação na ONG Safe Horizon, que ajuda vítimas de abuso e crimes violentos em Nova York.

De acordo com o TMZ, os funcionários ficaram indignados com o fato de Fairstein ter permanecido no conselho de uma organização para minorias por tanto tempo.

*Com Estadão Conteúdo