Unidos da Tijuca homenageará Ayrton Senna na avenida

  • Por Jovem Pan
  • 20/01/2014 17h03

O carnavalesco Paulo Barros falou sobre o desfile de 2014

Paulo Barros da Unidos da Tijuca

Depois de 14 anos como comissário de bordo, ele decidiu reinventar o Carnaval. Já colocou destaque de cabeça para baixo, levou uma pista de esqui para a Sapucaí e intrigou o país com uma troca mágica de roupa na avenida. Este ano, desenvolve o enredo “ACELERA, TIJUCA – MAIS VELOZ QUE O TEMPO, MAIS REAl QUE UM SONHO” pela Unidos da Tijuca. O carnavalesco Paulo Barros conversou com a JOVEM PAN sobre seu mais novo trabalho.

Com a grande responsabilidade de falar do ídolo nacional Ayrton Senna, Paulo falou sobre a história que será contada na Sapucaí: “Teremos essa emoção do herói, da comoção quando se fala no nome dele. A Tijuca vai promover um Grande Prêmio, convidando todos aqueles que têm relação próxima com velocidade para correr junto com Senna. Como grande homenageado, claro, será o Ayrton o vencedor”.

“É um enredo super divertido e diversificado. As imagens são muito boas, trabalhamos com a emoção, o infantil, com cenas que nos remetem à infância. O Ayrton deixou este legado, no universo da infância, ele prega a educação, a cultura, o esporte, por meio de seu instituto”, contou o carnavalesco.

Barros ainda fez uma ressalva: “É difícil fazer o enredo sempre baseado na biografia de uma pessoa, não teríamos espaço suficiente para contar a história da vida dele. É muito complicado. O carnaval te dá um retorno de imagens, para as pessoas assistirem com os olhos. Temos de ser didáticos para que o público compreenda cada cena apresentada”.

A agremiação é conhecida por inovar: “A tecnologia é fundamental, em todos os setores. Isto tem um custo, ela te dá grande. É uma ferramenta importantíssima que pode agregar valores muito altos. Ela será bem vinda e estamos sempre buscando formas modernas de mostrar o desfile”, explicou.

Sobre o preço da ousadia, Paulo foi taxativo: “Temos que ter o cuidado para ter o risco calculado. Para ter o diferencial, sempre temos que arriscar, mas com cautela para não atrapalhar a votação. Se conseguirmos aparar as arestas, faremos um desfile com perfeição. Depende da equipe e da escola. Ninguém faz nada sozinho”.

Ele finalizou: “Minha função como artista dentro do carnaval é que as pessoas vejam um espetáculo de emoção e alegria e que saiam satisfeitas da avenida”

Confira no áudio a entrevista completa com Paulo Barros.