Unidos de Vila Maria aposta na bateria para retornar à elite

  • Por Jovem Pan
  • 09/01/2014 16h23

Rodrigo Neves acumula funções na bateria da Vila Maria e como bancário

Rodrigo Neves é da bateria da Vila Maria

Muitos costumam dizer que o coração de uma escola de samba é a bateria, sua função é fundamental para o sucesso de um desfile. E um dos mais jovens talentos desse quesito é Rodrigo Neves, mais conhecido como “Moleza”, mestre da Unidos de Vila Maria, e que administra há dois anos a Cadência da Vila.

Rodrigo falou à JOVEM PAN sobre ela: “A Bateria já tem uma identidade. Quem escuta, já reconhece. Vamos sair com mais de 220 integrantes. Faremos a famosa ‘paradinha’ sempre fortalecendo o canto da Escola”.

Ele completou: “Iremos trazer um ritmo para a escola poder dançar e evoluir a fim de conseguirmos as notas nos quesitos.”.

Neves deu detalhes técnicos da Cadência: “Temos os instrumentos obrigatórios: caixa, repique, tamborim; além de extras, como cuícas e agogôs. São as 80 caixas que dão a característica e identidade da escola.”

Um aspecto diferente é o papel da mulher na Bateria: “As mulheres vêm quebrando barreiras, temos integrantes tocando todos os tipos de instrumentos, até os mais pesados”, contou.

Moleza tem uma história curiosa: ele é bancário e mestre de bateria. Ainda jovem, mas com experiência.

Ele explica: “Coisa de jovem sonhador em busca de conseguir seus ideais e sempre tentou fazer por merecer para conciliar os dois. A classe média invadiu as Escolas de Samba. Desde pequeno eu estudava e frequentava ensaios. Aprendendo, consegui crescer nas duas profissões”.

Com o refrão “Na roda da vida vou dar a volta por cima tem que ter paixão para ser da vila”, a Unidos de Vila Maria, escola presidida por Paulo Sérgio Ferreira, o Serginho, lutará pelo retorno à elite do Carnaval Paulista.

Confira a entrevista completa com Rodrigo Neves no áudio.