Aidar não se preocupa com impeachment e garante títulos até final da gestão

  • Por Jovem Pan
  • 26/01/2015 13h37
Ana Cichon/Jovem Pan Carlos Miguel Aidar participa do Jornal de Esportes

Esquecer as polêmicas e focar em conquistas. É isso que o presidente são-paulino Carlos Miguel Aidar pretende em 2015. Em entrevista exclusiva à Jovem Pan, o dirigente disse ser alvo de críticas da oposição por querer “quebrar paradigmas” no clube e não quis responder as críticas recentes de Paulo Nobre, atual presidente do Palmeiras, sobre sua gestão. Ele ainda garantiu que até 2017, ano do final de seu mandato, o Tricolor estará com as finanças equilibradas e títulos conquistados.

A gestão de Aidar tem sido alvo de muitas críticas de seu antecessor Juvenal Juvêncio por supostas irregularidades. O atual mandatário, no entanto, não quis reacender a polêmica. “Não quero falar do passado porque ele ficou para trás. Quero pensar muito no futuro. Toda vez que você pega uma estrutura organizada e pretende quebrar paradigmas, mudar o sistema de gestão e descentralizar, você causa alguns incômodos. Algumas mudanças fizeram com que poucos se revoltassem. Isso vai passar, não tenho a menor dúvida”, afirmou.

Acusado de envolver a filha e até a namorada em negócios dentro do clube, Aidar tratou de desligar ambas de sua gestão em resposta aos críticos. “Há meses credenciei uma empresa [ligada à namorada de Aidar] para viabilizar os negócios para o São Paulo. O clube pagaria uma comissão, como sempre pagou a agentes ou empresários, mas queriam atingir a mim. Foi uma coisa vulgar, vil e baixa. Para cessar tudo isso, nós rescindimos o contrato. Agora que filha e namorada estão fora, não tem mais em quem eles baterem”, ironizou em referência à oposição Tricolor.

Sobre os atritos com Paulo Nobre, presidente do Verdão, Aidar adotou discurso diferente de outrora. Estou muito feliz que o Palmeiras tenha recuperado sua credibilidade. Esteve ameaçado de cair, mas agora está aparentemente estruturado, não falta dinheiro, isso é importante. Eu quero mais é que o Palmeiras seja feliz, não tenho mais nada a dizer sobre esse assunto”, decretou.

Em uma das piores crises da gestão Aidar, a oposição Tricolor chegou a ventilar a possibilidade de um impeachment, que não preocupa o atual presidente Tricolor. “A minha gestão ainda está começando, ainda vou trazer muita coisa boa para o São Paulo. Estou estruturando o clube administrativamente. Eu não tenho nenhuma preocupação com impeachment, minha consciência está absolutamente tranquila. Até 2017, as finanças estarão equilibradas e alguns títulos ja terão sido conquistados”, garantiu.