Aidar rebate Andrés Sanchez e dá voto de confiança a Del Nero à frente da CBF

  • Por Jovem Pan
  • 03/11/2014 09h54
Carlos Miguel AidarCarlos Miguel Aidar

O presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar, é daquelas pessoas que não pensam duas vezes em rebater críticas de seus rivais, o que não foi diferente no último domingo. Após a grande vitória do seu time sobre o Criciúma, fora de casa, por 2 a 1, o mandatário Tricolor foi entrevistado pela rádio Jovem Pan e respondeu a alfinetada do corintiano Andrés Sanchez, que colocou a questão da dificuldade financeira por qual o clube do Morumbi passa como grande motivo da cobrança sobre a CBF pelas convocações de seus jogadores para os amistosos frente Argentina e Japão, no último mês de outubro. Além disso, Aidar ainda deu crédito para a gestão de Marco Polo Del Nero na entidade máxima do futebol nacional, que terá início em abril. Para ele, o líder da FPF (Federação Paulista de Futebol) tem tudo para fazer um grande trabalho.

“O São Paulo está cobrando um direito dele. As dificuldades financeiras do São Paulo não são nem um terço das dificuldades do Corinthians. Acho que o Andrés está passado da eleição do Corinthians e não faz ideia do tamanho da dívida”, rebateu.

O presidente são-paulino cita a Lei Pelé para basear a insatisfação Tricolor com as convocações de Kaká e Souza pela Seleção Brasileira. Aidar ainda diz que os outros clubes não acionam a justiça contra a CBF por medo de retaliações.

“O São Paulo entende que é um absurdo você contratar um empregado para trabalhar para você, paga o salário e vem alguém tirar o seu atleta por 15 dias, usa o seu empregado e não pagam o salário. Isso é muito simples, é elementar. Basta ler a Lei Pelé, talvez as pessoas que estejam falando disso não a tenham lido. Lá diz que é obrigado o pagamento pela sessão do atleta. A confederação que convoca o atleta tem a obrigação, por lei, pagar o tempo de uso do jogador. Não é questão de problemas financeiros, mas sim de direitos. Todos os clubes deveriam fazer isso, mas tem medo da CBF. O São Paulo não tem”, garantiu.

Com a era Marin chegando ao fim à frente da entidade, o mandatário do time vice-líder do Campeonato Brasileiro não é pessimista em relação a Marco Polo Del Nero, candidato eleito para assumir o comando do futebol brasileiro nos próximos anos. Não compactuando do pessimismo de grande parte da mídia, o polêmico cartola ainda discordou de Sanchez, que afirmou que os anos em que Del Nero estiver no poder serão negros para o esporte nacional.

“Ao contrário. O Andrés está fazendo discurso de derrotado. Ele só não é candidato derrotado porque retirou a candidatura dele. O Marco Polo vai fazer uma gestão muito boa. Ele está desligando pessoas ligadas ao Ricardo Teixeira, esses sim eram pessoas desserviam o futebol. Está fazendo o que o Marin não fez. Eu acredito muito nele. Tem tudo para fazer um grande gestão. Vamos deixa-lo assumir em abril, dar um tempo para poder cobrar”, completou.