Além do G4: tabu, “goleada” em 2015 e futuro de Osorio esquentam o Choque-Rei

  • Por Jovem Pan
  • 25/09/2015 21h48
São Paulo e Palmeiras farão o terceiro Choque-Rei de 2015

Neste domingo acontecerá o terceiro Choque-Rei do ano. Uma partida que envolve, além da óbvia rivalidade entre São Paulo e Palmeiras, a briga direta por uma vaga na próxima Libertadores – o alviverde está na quarta colocação com 42 pontos, dois a mais que o rival. No entanto, há muito mais coisas em jogo, desde conflitos extracampo, o futuro de Osorio como técnico do São Paulo e a “goleada” que o Verdão tem dado neste ano.

Confira, na lista abaixo, motivos que fazem com que este seja o Choque-Rei mais quente do ano até o momento.

Briga pela Libertadores

O destaque mais óbvio do confronto. Um resultado negativo não tirará nenhum dos dois rivais da briga pelo G4, mas pode fazer toda a diferença ao fim do campeonato. O Palmeiras, quarto colocado, tem apenas dois pontos a mais que o São Paulo. Portanto, em caso de vitória, o Tricolor entrará automaticamente no grupo que conquista uma vaga para a próxima Libertadores.

“Goleada” do Palmeiras em 2015

Se no passado recente o Tricolor leva vantagem no Choque-Rei, em 2015 a história tem sido diferente. Nas duas partidas, realizadas no Allianz Parque, o Verdão venceu por 3 a 0, no Campeonato Paulista, e por 4 a 0, no Brasileirão. Na primeira delas, o meia Robinho marcou um gol histórico, do meio de campo. Por conta desses resultados, os palmeirenses gostam de tirar sarro dos rivais dizendo que seu time está vencendo por 7 a 0 em 2015.

O futuro de Osorio

O técnico Juan Carlos Osorio não confia mais na diretoria do São Paulo e pode deixar o clube ainda este ano para treinar o México. Quem disse isso não foi um tabloide sensacionalista, mas o próprio colombiano, em entrevista coletiva. Osorio sente que pode ser demitido do clube em caso de seguidas derrotas e por isso pode aproveitar uma oportunidade de sair caso ela apareça. Tudo isso torna o clássico ainda mais decisivo. O resultado pode pesar muito na relação do treinador com o Tricolor – para o bem ou para o mal.

Tabu do Palmeiras no Morumbi

Lembra aquele gol histórico de Alex contra o São Paulo, no qual ele aplica dois chapéus, um deles em Rogério Ceni, antes de marcar? Pois é, ele foi marcado em 2002, no Rio-São Paulo, e a partida acabou 4 a 2 para o Palmeiras. Desde então, como que numa maldição pela audácia do golaço, o alviverde nunca mais venceu no Morumbi. Em 21 confrontos desde então, o Tricolor venceu 13 e houve oito empates. Será que o Verdão quebra esse tabu neste domingo?

Um clássico em alto nível

Nos últimos anos, Palmeiras e São Paulo se enfrentaram em momentos distoantes, com algum dos dois times (na maior parte das vezes o Tricolor) mais forte, brigando na parte de cima, enquanto outro estava mais embaixo. Desta vez, a briga pelo G4 mostra o alto nível do duelo. As duas equipes têm times considerados fortes e contam com craques como Alexandre Pato, Ganso, Barrios e Gabriel Jesus. Garantia de jogão.