Apesar da eliminação, Sampaoli vê Chile no mesmo nível das potências

  • 28/06/2014 17h56

Apesar do abatimento com a eliminação nas oitavas de final da Copa do Mundo com a derrota para o Brasil no pênaltis neste sábado no Mineirão, o técnico do Chile, o argentino Jorge Sampaoli, preferiu enaltecer o fato de a equipe ter feito partidas equilibradas contra três das grandes seleções do futebol mundial.

“Não existem vitórias morais, mas expressões de uma equipe. O Brasil venceu e continua na Copa, e nós voltamos para casa. Nos equiparamos às potências que enfrentamos, Espanha, Holanda e Brasil, colocando o Chile em um lugar de protagonismo e não de submissão”, analisou o treinador argentino.

“Estamos tristes por termos enfrentado os donos da casa e, após 120 minutos contra o principal favorito, perder da forma como perdemos é muito duro. Não me conforma o fato de sair da Copa desta maneira”, completou.

Sampaoli lamentou muito o chute de Mauricio Pinilla que acertou o nos instantes finais da prorogação. Segundo ele, os centímetros que separaram a tentativa da rede evitaram um feito comparável ao realizado pelo Uruguai na final da Copa de 1950, diante do Brasil, também anfitrião na ocasião.

“A sensação de dor foi porque era o momento justo para fazer história e concretizar o Mineirazo, que teria representado um instante histórico para o povo”, relatou o treinador, que já pensa no próximo passo, uma competição em casa no ano que vem. “Hoje a dura eliminação gerará avaliações de todo tipo, e a Copa América é o futuro”, resumiu.

Para o argentino, o Chile teve mérito em anular o ataque adversário. Na opinião dele, a seleção brasileira pouco incomodou e estava satisfeita em levar a partida para os pênaltis.

“O Brasil não arriscou em momento algo e não gerou situações de gol esperando os pênaltis. Em nenhum momento fomos muito pressionados, no fim quase obtivemos a vitória. Não sei se esta atuação do Chile tapou bocas ou não, mas fizemos um jogo de igual para igual e conseguimos anular um jogador tão importante como é Neymar”, comentou Sampaoli, para depois fazer elogios à equipe de Luiz Felipe Scolari.

“Se o Brasil é facorito ao título ou não, só saberemos no futuro. É uma equipe muito difìcil de se enfrentar, sólida e com jogadores de muita importância. Com o passar da Copa, esta seleção que hoje passou um grande susto se fortalecerá com esta vitória”, considerou.