Após revés, Enderson diz entender críticas: “chamar de burro faz parte”

  • Por Jovem Pan
  • 23/10/2014 08h43
Enderson Moreira se esquiva de crise política no Peixe

A classificação para as semifinais da Copa do Brasil e a vitória no clássico diante do Palmeiras ocorridas na última semana parece não terem sido o suficiente para satisfazer a torcida santista. Depois da derrota do Santos para o Fluminense por 1 a 0, na Vila Belmiro, alguns torcedores vaiaram o time e chamar o técnico Enderson Moreira de “burro”. O treinador, por sua vez, disse entender as críticas, mas pediu paciência e lembrou que a boa fase do time não foi apagada devido ao revés para os cariocas.

Após o apito final, o técnico optou por “blindar” os jogadores que, segundo ele, estão sentindo a intensa sequência de jogos na temporada. “Infelizmente, no Brasil, isso é normal. Quando ganha, é maravilhoso e, quando perde a culpa é do técnico. O torcedor tem de entender que nós temos algumas ideias, mas, às vezes, temos de mexer por lesões. Foram 14 jogos sempre às quartas, quintas, sábados ou domingos. O que aconteceu com o Geuvânio hoje tinha ocorrido com o Lucas Lima no domingo. Os jogadores sentem a sequência. Quando o time perde, sou o culpado. Se marcássemos no fim com o Damião, diriam que fui perfeito. Futebol é assim. Tenho de tomar decisões no momento, não me arrependo de nenhuma”, garantiu.

Enderson afirmou ter entendido as críticas das arquibancadas, mesmo que, em sua visão, o Santos não tenha realizado uma partida ruim. “Fizemos um inicio de jogo bom, poderíamos ter feito dois gols, tivemos chances claríssimas, mas não aconteceu. Torcedor quer ganhar sempre, e às vezes a vaia acaba tirando um ou outro atleta do controle. Temos que estar preparados”, pediu. 

O treinador lembrou feitos recentes da equipe na temporada para amenizar o clima estabelecido após a derrota em casa. “Não podemos criar um cenário no qual o jogador erre um passe e seja o fim do mundo. Ganhamos um clássico [contra o Palmeiras, no domingo], fizemos jogos importantes, é necessário que se tenha paciência. Caso contrário, todos entram em campo com medo de errar. Chamar de “burro” faz parte, mas enquanto tiver esperança, estaremos juntos. O aconchego de todos será fundamental. Poucos imaginavam a chegar onde o Santos chegou. Estamos na semifinal da Copa do Brasil, temos de valorizar o que tem sido feito”, finalizou.

Com 45 pontos e na oitava colocação, a equipe de Enderson se encontra a seis pontos do G-4 da competição. Na próxima rodada, no sábado (25), o Santos vai à Santa Catarina para enfrentar o Chapecoense, em jogo válido pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro.