Após seis anos no Catar, Lazaroni é a favor de mudança na data do Mundial

  • Por Jovem Pan
  • 01/03/2015 18h54
Futebol: o técnico Sebastião Lazaroni.*** NÃO UTILIZAR SEM ANTES CHECAR CRÉDITO E LEGENDA*** (Crédito: Luciana Whitaker/Folhapress)Sebastião Lazaroni

Um assunto muito comentado nesta semana foi a possibilidade de mudança de data da Copa do Mundo de 2022. O Catar, sede do Mundial, tem temperaturas acima de 40ºC no meio do ano. A Fifa quer que o campeonato passe a acontecer no final do ano, período em que as temperaturas são mais amenas. O tópico está em discussão e terá sua decisão no dia 18 de dezembro.

Ex-técnico da seleção brasileira, Sebastião Lazaroni, treinou o Catar SC nos seis últimos anos e conhece bem o país. Em entrevista à Jovem Pan, o treinador comentou sobre o assunto e contou um pouco mais sobre o desconhecido Catar.

Lazaroni destacou que o país tem condições de realizar o Mundial. “É um país em transformação. Eles têm uma vontade enorme de sediar eventos esportivos e economicamente podem responder a altura os requisitos necessários. Não vejo nenhum problema em mobilidade urbana, hotéis, construções necessárias para a Copa”.

Embora tenham possibilidade de realizar a Copa, Lazaroni acha interessante a mudança de data do Mundial. “Eu vejo com bons olhos esta tentativa de modificação para a Copa ser realizada no final do ano. A temperatura estará bem amena e não haverá prejuízo aos principais envolvidos, os jogadores e os torcedores. Em junho, a temperatura é muito alta, você frita um ovo no asfalto”.

O treinador também comentou sobre a importação de jogadores que está sendo feita pelo Catar, que não conta com uma seleção poderosa. “É uma questão entendível num país que tem 2,5 milhões. Se o Catar seguir as diretrizes da Fifa, eu não vejo problemas. O jogador precisa estar atuando há cinco ano no país, sem que tenha jogado por outra seleção. O Catar está oferecendo as ótimas condições eeles contam com brasileiros, franceses, espanhóis e outras nacionalidades.

Lazaroni também comentou sobre a abertura do país. Ele destaca que o Catar é diferente de países como Arábia Saudita na questão da religião. “O Catar é um país mais aberto, apesar da religião islâmica. Há um respeito dos estrangeiros para com os catares. São todos muito educados e gostam da presença de outros povos”.