Após vice nas duplas no Rio Open, Melo avalia: “resultado foi fantástico”

  • Por Agencia EFE
  • 23/02/2014 15h23

Rio de Janeiro, 23 fev (EFE).- Derrotado pelos colombianos Juan Sebastían Cabal e Robert Farah na final da chave de duplas do Rio Open neste domingo, o brasileiro Marcelo Melo fez uma avaliação positiva de sua participação no torneio, em que não jogou com seu parceiro fixo, o croata Ivan Dodig, mas com o espanhol David Marrero.

“O resultado foi fantástico. Lógico que poderia ter vencido, mas isso não apaga toda a boa campanha que fizemos. Estava jogando a temporada de quadra dura tem muito tempo. Cheguei de Roterdã na quinta-feira, lá estava jogando indoor, cinco graus negativos, e aqui encontrei 35 graus para jogar descoberto. Fui de um extremo ao outro”, comentou o quinto melhor duplista do mundo na atualidade.

De acordo com o brasileiro, o bom desempenho se deve em parte ao entrosamento com Marrero, que embora não seja seu parceiro no circuito, é um grande amigo.

“Conhecer bem o parceiro ajudou muito para a disputa de um ATP 500. Marrero joga com um jogador que joga simples (Fernando Verdasco), eu também jogo, e durante os torneios acontece muito de treinarmos juntos e forma uma dupla para jogar contra outras duplas para pegar ritmo. Nós nos damos muito bem dentro e fora de quadra e acaba que procuramos treinar juntos e isso ajuda quando jogamos juntos quando temos a oportunidade”, destacou Melo, que explicou porque não participará do Brasil Open, nesta semana, em São Paulo.

“A real história que eu não irei para São Paulo é que eu estava decidindo se disputaria Dubai com o Ivan, que é meu real parceiro, ou não. Tinha a opção de jogar com o Marrero em São Paulo, mas ele decidiu ir para Acapulco, e eu ainda tinha como uma outra opção. Mesmo com isso tudo, não era certo que eu iria para São Paulo, porque o Ivan estava me esperando para Dubai”, justificou.

“Quando acabou a minha semifinal aqui, eu disse para ele que caso tivesse perdido teria tempo para ir para lá, mas como ganhamos, ficou tarde. Com a final sendo no domingo, não teria como eu sair daqui hoje à noite para chegar lá segunda à noite e jogar na terça”, completou.

Sétimo colocado do ranking de duplas da ATP, Marrero foi só elogios a Melo e disse que acredita que jogará mais vezes ao lado do brasileiro, sobretudo devido à indisponibilidade de seus parceiros devido às competições de simples.

“Gosto muito de jogar com ele, é um grande amigo meu. Eu jogo com o Fernando, ele joga com o Dodig, mas sempre que nossos parceiros não estiverem disponíveis podemos jogar juntos, eu me sinto cômodo jogando com ele. É importante se manter competindo, principalmente com um bom jogador como ele”, salientou Marrero. EFE