Apostas para o ataque, Miguel e Rodolfo esperam por mais chances no Brasileirão

  • Por Jovem Pan
  • 11/04/2014 16h35

O atacante MiguelMiguel

O Palmeiras inicia sua caminhada no Campeonato Brasileiro no dia 20 de abril e, no elenco deste ano, algumas caras novas para o torcedor. Entre eles, dois jovens atletas torcem para receberem chances do técnico Gilson Kleina e tentarem ajudar na campanha do time no maior campeonato nacional: os atacantes Miguel e Rodolfo.

Miguel, que chegou ao Palmeiras em 2007, vem aparecendo com mais frequência na lista do treinador neste ano e sabe que esse momento é o mais próspero de sua carreira.

“É a realização de um sonho, estou aqui desde 2007. É legal e gratificante fazer parte desse elenco. O Kardec é o nosso titular e o nosso exemplo. Um grande atacante e uma das pessoas mais espetaculares que conheci no futebol. Claro que quero jogar, mas tenho de respeitá-lo”, disse Miguel, demonstrando respeito ao companheiro da camisa 14.

Miguel também falou sobre a importância de se aprimorar tecnicamente e de fazer treinos extras: “só fazer o ‘arroz com feijão’, que todo mundo faz, não adianta nada. Quero me aprimorar. Não só para mostrar para o ele (Kleina), mas para mim também. Essa é a minha profissão e eu tenho de me aperfeiçoar”.

Assim como o parceiro Bruno César também declarou recentemente, o jovem de 22 anos de idade crê que o Palmeiras pode ser considerado um dos favoritos aos títulos do Brasileirão e da Copa do Brasil nesta temporada.

“Desde que fizemos a pré-temporada em Itu, nós estávamos prontos para ser campeão paulista, mas infelizmente não aconteceu. Assim como o Bruno César disse ontem (quinta-feira), nós somos um dos favoritos para ganhar o Brasileiro e a Copa do Brasil, mas sempre com muito respeito aos outros times. Quem joga no Palmeiras tem de pensar em ser campeão”, finalizou.

Outra aposta do Palmeiras é o atacante Rodolfo, que veio das categorias de base do Rio Claro. O atleta de 20 anos de idade fez sua estreia pelo alviverde de Palestra Itália em uma partida contra a Portuguesa, no Campeonato Paulista, e garante estar preparado para mais desafios.

“A cada dia que passa, tenho de treinar mais forte. Tenho de me acostumar, não é normal dar coletiva, ainda mais eu que vim da base. É a segunda vez que dou entrevista coletiva (risos). A cada treino, preciso mostrar ao professor que estou pronto para jogar. Tenho de ter calma”, falou. “É difícil chegar da base e já começar jogando. Se eu estou aqui, é porque o Gilson Kleina me aprovou. Para mim foi muito diferente. Geralmente você não vê um time grande contratando um ‘moleque’ da base, mas estou tranquilo”, prosseguiu.

Por fim, Rodolfo também deixou transparecer sua felicidade de poder trabalhar ao lado de jogadores consagrados em nível nacional e internacional.

“É uma felicidade imensa. Eu vim da base (do Rio Claro) e estou ao lado de grandes jogadores como o Lúcio, o Valdivia e o Alan Kardec. Quero jogar, mas só de fazer parte deste elenco já estou feliz”, declarou. “Todo mundo conversa com todo mundo, é uma alegria constante. Esse é o nosso diferencial. Muitos grupos não têm essa família que formamos”, concluiu o camisa 29.