Apresentado, Zé Roberto “esquece” currículo e projeta dupla com Valdívia

  • Por Jovem Pan
  • 08/01/2015 12h02
SÃO PAULO, SP, 08.01.2015: FUTEBOL-PALMEIRAS - Apresentação do jogador Zé Roberto no Palmeiras na manhã desta quinta-feira (8) na Academia de Futebol na Barra Funda, zona oeste de São Paulo (SP). A equipe se prepara para o início da temporada 2015. (Foto: Reginaldo Castro/Folhapress) Folhapress Aos 40 anos

A idade parece ser mesmo só um detalhe para o principal reforço do Palmeiras para 2015. Nesta quinta-feira (08), o Verdão apresentou o meia Zé Roberto que, aos 40 anos, garantiu que sua motivação está em alta apesar de seu vasto currículo de conquistas na carreira. O ex-gremista se disse ansioso para trabalhar com o técnico Oswaldo de Oliveira e já projetou formar dupla ao lado do chileno Valdívia, tido como o único jogador criativo no elenco até sua chega.

Muito questionado pela idade avançada, Zé Roberto disse não se importar com as desconfianças. “Eu venho muito motivado, por uma simples questão: quando completei 30 anos parece que comecei a viver os melhores momentos da carreira. Quero falar do presente. Não foi meu currículo que me trouxe, mas meu presente. Quando voltei para o Grêmio fui muito questionado pela idade. O Brasil, infelizmente sempre bate nesta tecla, e idade para mim, o 40 é só um número”, disse.

O meia falou em ajudar os jovens do elenco e disse estar ansioso por trabalhar com Oswaldo de Oliveira, que também chega em 2015 ao Verdão. “É o primeiro trabalho juntos. Ele agrega muito na carreira de qualquer jogador. Amigos que trabalharam com ele sempre falaram muito bem da sua conduta, profissionalismo. Isto foi um fator muito importante, também, para este novo projeto. É um treinador que estou muito ansioso para que juntos possamos colocar em pró do clube nossas qualidades”, afirmou o meia que assinou contrato de um ano com o clube paulista. 

Nos últimos anos, Valdívia tem sido apontado no Palmeiras como o único jogador “diferente” do elenco. Zé Roberto parece querer dividir a responsabilidade com o chileno. “Agregar dois jogadores inteligentes e com técnica diferenciada em prol de um time é bom. Mas depende de qual formação o técnico vai usar. Só vejo coisas positivas, e foi também um dos fatores que me trouxe ao Palmeiras, poder jogar com um jogador com a qualidade do Valdivia”, relevou. 

Perguntado sobre a pressão que é chegar ao Palmeiras depois do ano catastrófico de 2014, Zé Roberto voltou ao passado para justificar sua confiança. “Cobrança eu sinto desde quando eu saí de casa, aos sete anos de idade. Sei da responsabilidade de vestir esta camisa. Se consegui honrar a camisa do Santos, do Pelé, eu acho que as outras, para mim, é um desafio, mas para quem usou a 10 do Santos, usar qualquer outra para mim é o mesmo desafio, mas não tão grande quanto usando a do Pelé”, finalizou.