Argentina sem Messi e Alemanha sem Schweinsteiger reeditam final da Copa

  • Por EFE
  • 02/09/2014 21h04
Jogadores se cumprimentam antes da partidaConfira todas as imagens da final da Copa entre Alemanha e Argentina

A Argentina, sem Lionel Messi, e a Alemanha, sem Bastian Schweinsteiger, reeditarão nesta quarta-feira a última final da Copa do Mundo, em uma partida que servirá aos atuais campeões mundiais como preparação para o primeiro jogo das Eliminatórias para a Eurocopa 2016, no domingo, contra a Escócia.

Para as duas seleções o confronto representa uma nova fase. A Argentina terá a estreia do técnico Gerardo Martino, mas jogará sem seu principal craque. Messi sofreu uma sobrecarga no músculo adutor da coxa direita no último domingo, quando o Barcelona venceu o Villareal por 1 a 0 pela segunda rodada do Campeonato Espanhol.

Apesar da troca no comando, Martino praticamente repetirá a equipe titular que perdeu o título mundial no Maracanã. As mudanças devem ser pontuais. Di María, lesionado na final, volta ao time no lugar de Enzo Pérez. A outra ausência, mais significativa, é do astro-maior, Messi. No lugar dele, entrará Ezequiel Lavezzi.

Já a Alemanha terá que testar novos jogadores para recompor as saídas de Phillip Lahm, Miroslav Klose e Per Mertesacker, que encerram suas carreiras na seleção após o Mundial.

O técnico alemão, Joachim Löw, anunciou nesta terça-feira a escolha de Schweinsteiger para substituir Lahm como o capitão da equipe. No entanto, o volante do Bayern de Munique não estará em campo amanhã por causa de uma lesão no joelho.

Sami Khedira também está fora do jogo. O jogador do Real Madrid passou uma ressonância magnética na manhã de hoje e o exame mostrou uma ruptura muscular na coxa esquerda. A Federação Alemã de Futebol disse que o atleta chegou lesionado à concentração. Já o time espanhol afirmou, em breve comunicado, que o problema ocorreu durante um treino da seleção.

Além do novo capitão e Khedira, Mesut Özil, Jerome Boateng e Mats Hummels não participam do confronto, obrigando Löw a reestruturar, principalmente, o setor defensivo da equipe.

O técnico cogitou hoje a possibilidade de escalar Kevin Grosskreutz na lateral direita e Erick Durm na esquerda. Os dois fizeram parte do elenco campeão do mundo, mas não chegaram a atuar no Brasil. Benedikt Höwedes, depois de atuar como lateral na Copa, deve retornar à posição de zagueiro, ao lado de Matthias Ginter, provável alternativa à ausência de Hummels.

Apesar de se tratar do primeiro duelo das duas seleções depois da final no Brasil, o meia-atacante argentino Ángel Di María descartou o clima como uma revanche. “Trata-se de um amistoso e nada mais. Nós viemos à festa em que eles vão mostrar a Copa que ganharam”, disse o jogador.

As duas seleções se enfrentaram 21 vezes na história, incluindo o confronto no Brasil. A Argentina tem melhor desempenho no retrospecto geral, com nove vitórias contra sete dos alemães. No entanto, os atuais campeões mundiais levam vantagem em Mundiais, com quatro vitórias (duas em decisões), contra apenas uma dos argentinos, que ocorreu na decisão da Copa de 1986.

Provavéis escalações:

Alemanha: Neuer; Grosskreutz, Höwedes, Ginter e Durm; Kramer, Kroos; Müller, Reus e Schürrle; Gómez (Götze). Técnico: Joaquim Löw.

Argentina: Romero; Zabaleta, Demichelis, Garay e Rojo; Biglia, Mascherano, Di María e Lavezzi; Agüero e Higuaín. Técnico: Gerardo Martino.

Árbitro: Björn Kuipers (Holanda), auxiliado pelos compatriotas Sander van Roekel e Erwin Zeinstra.

Estádio: Arena Düsseldorf.