Assunção revela que vai se aposentar em 2016: “cada jogo será uma despedida”

  • Por Jovem Pan
  • 21/04/2016 16h01

Marcos Assunção Sampaio Corrêa/Divulgação Marcos Assunção

Volante inteligente, técnico e dos maiores cobradores de faltas da sua geração, Marcos Assunção vai parar de jogar futebol neste ano. Em entrevista exclusiva ao repórter Fredy Junior que vai ao ar no Plantão do próximo domingo, na Rádio Jovem Pan, o jogador de 39 anos anunciou que se aposentará assim que o seu contrato com o Sampaio Corrêa se encerrar, em dezembro. 

“Tenho vínculo com o Sampaio Corrêa e depois, seguramente, vou parar de jogar futebol. Não quero mais jogar, porque aí estarei com 40 anos. Vou deixar a molecada correr e ficar assistindo pela televisão. Chega uma hora que o corpo pede, e o meu corpo está pedindo para que eu pare, para que eu descanse e possa desfrutar mais da minha família”, explicou o jogador, que hoje é comandado por outro exímio cobrador de faltas, o sérvio Dejan Petkovic. 

Ídolo de Betis, Palmeiras e Santos, Marcos Assunção está no Sampaio Corrêa, do Maranhão, desde o início do ano. Ele foi contratado para disputar o Campeonato Maranhense, a Copa do Brasil e a Série B do Campeonato Brasileiro. Assim, com o adeus marcado para dezembro, o volante já admite que cada partida tem tido um gostinho especial para ele.

“Cada jogo tem sido uma despedida para mim, porque, a partir do ano que vem, é certeza que eu não vou mais jogar. Vai ser triste, porque são 22 anos de muita dedicação e títulos no futebol. Vai ter muitas lágrimas, certamente, porque vou deixar de fazer algo que eu fiz com tanto amor por mais de duas décadas. Mas vamos deixar para pensar nisso só lá no final do ano, né? Agora, é desfrutar de cada jogo e treinamento”, afirmou, tentando conter a emoção.

Mas e o futuro? Assunção ainda não tem a mínima ideia de como ele será. A única coisa que o volante sabe é que não deixará de trabalhar com o esporte mais popular do planeta – e muito provavelmente longe dos bancos de reservas. “Eu sou um cara que deixo para decidir tudo de última hora. Eu nunca penso no que vou fazer, porque sempre estou pensando no que eu estou fazendo. Então, ainda estou me vendo como jogador de futebol“, disse. 

Quando eu parar, no fim do ano, aí é que vou pensar em que cargo vou atuar… Treinador eu acho muito difícil. De todas as coisas que eu penso um pouquinho, a última delas é trabalhar como técnico. Vejo-me mais como gerente de futebol ou empresário, finalizou, contente por ter encontrado o momento certo para parar: “eu vou sair do futebol como jogador, mas o futebol não vai sair da minha vida.