Atlético e Real empatam em jogo de muita tensão e poucas chances na Champions

  • Por Jovem Pan
  • 14/04/2015 17h40
Esta cena se repetiu muito

O grande clássico de Madrid na ida das quartas de final da Liga dos Campeões, uma reedição da final passada, prometia muita rivalidade, disputa acirrada e equilíbrio. Isso tudo esteve no campo do Vicente Calderón na tarde desta terça-feira (14); o problema é que não houve muito mais além disso. O Real Madrid dominou o primeiro tempo e parou no goleiro Oblak, enquanto o Atlético equilibrou a partida na etapa final. O empate sem gols não pode, no fim das contas, ser muito lamentado por nenhuma das equipes.

Os papeis das duas equipes no primeiro tempo estavam definidos desde os primeiros movimentos. O Real Madrid logo dominou a posse de bola e passou a jogar no campo de ataque; o Atlético se fechou, marcou com muitos jogadores e se armou para contra-atacar. Isso tudo limitou as chances de gol e manteve a partida com poucas emoções em diversos momentos.

Mas a insistência merengue uma hora começaria a se transformar em finalizações. Diante de um rival que povoava sua própria área, o atual campeão tentou de longe com Cristiano Ronaldo, em cobrança de falta, e Bale, parando no goleiro Oblak. Antes disso, o esloveno já havia salvado sua equipe quando Bale saiu na cara do gol. James Rodríguez também foi pra cima: da entrada da área, bateu de três dedos e quase fez um golaço, impedido pelas mãos de Oblak; depois, em sobra após contra-ataque, o colombiano finalizou cruzado e viu a tentativa ter o mesmo desfecho da anterior.

O Atlético de Madrid tentou se soltar por alguns instantes, mas a estratégia se manteve baseada nos contra-ataques, bolas aéreas e erros do rival. Por isso, a equipe chegou pouco, sempre com Griezmann, e foi para o intervalo tendo seu guarda-metas como o melhor jogador da primeira etapa. E por conta disso a postura no segundo tempo foi diferente, pelo menos nos primeiros minutos. Mais solto, o time da casa buscou o ataque e Arda Turan deu um susto em Casillas com cabeçada que passou perto da trave direita.

Aos poucos o Real Madrid foi saindo da tentativa de pressão e equilibrando as ações. Iguais em campo, as equipes deixaram o futebol de lado para dar lugar à tensão e à rivalidade. Foram ainda menos chances de gol e mais discussões, encaradas e cartões amarelos. Os merengues não conseguiam chegar na área como queriam e acabavam perdendo a bola antes de finalizar. Já os Colchoneros tentaram alguma pressão nos minutos finais, já com Fernando Torres em campo, mas muito mais na base do abafa do que com jogadas trabalhadas.

O empate sem gols acabou justo para o que foi a partida: um jogo tenso, brigado, disputado em cada bola e de poucos momentos de bom futebol. A decisão fica para o dia 22, quarta-feira, no Santiago Bernabeu. O Atlético poderá se classificar em caso de empate com gols na casa do rival.