Audax não vê Diniz prestigiado em outros clubes: “talvez ainda precise da gente”

  • Por Jovem Pan
  • 29/04/2016 18h05
fernando diniz

Principal surpresa do futebol brasileiro neste primeiro semestre de 2016, o Grêmio Osasco Audax deve perder muitos jogadores após a decisão do Campeonato Paulista. Tchê Tchê já tem acordo com o Palmeiras, e Camacho, Bruno Paulo e Ytalo muito provavelmente também sairão para grandes clubes de São Paulo. A maior incógnita, então, passa a ser Fernando Diniz. Qual será o destino do treinador, reverenciado por público e imprensa pelo excelente trabalho feito há pelo menos três anos no time de Osasco? 

Audax ainda não tem a resposta para esta pergunta. O que não quer dizer, contudo, que não esteja trabalhando para segurar o jovem profissional. A partir do segundo semestre, o clube vai disputar pela primeira vez a Série D do Campeonato Brasileiro, e o desejo da diretoria é de que Diniz permaneça. Muito tem se especulado a respeito de uma transferência do técnico para um time da elite nacional, mas o Audax não acha que este seria um bom negócio para ele. 

“Não sei se o Diniz vai ter essa oportunidade tão rápida de mostrar o trabalho dele em outros clubes. Talvez o Fernando ainda precise um pouco mais do Audax, e o Audax precise um pouco mais do Fernando. Então, vamos tentar não medir esforços para que ele fique”, afirmou o diretor de futebol do Grêmio Osasco Audax, Nei Teixeira, em entrevista exclusiva a Raphael Thebas para o Plantão de Domingo, da Rádio Jovem Pan.

O clube acredita que, hoje, em um time de grande porte do futebol brasileiro, Fernando Diniz não teria o mesmo respaldo que possui no Audax. Ele é o “queridinho” do principal investidor do clube de Osasco, o executivo Mário Teixeira, e, talvez por isto, tenha tido tempo suficiente para implantar a sua encantadora filosofia de jogo no time paulista – Diniz está há três anos no Audax 

Para Nei, o imediatismo característico do futebol brasileiro muito provavelmente custaria o emprego do técnico na sua primeira fase ruim em um clube grande. Ele só teve uma experiência em uma equipe de maior porte, no ano passado, no Paraná Clube. Tudo bem, livrou o time da ameaça de rebaixamento à Série C do Campeonato Brasileiro, mas foi demitido depois de somente 17 jogos.

“Não dá para planejar nada, mas o nosso desejo é que o Diniz continue, porque já está há três anos com a gente. Tudo só deu tão certo porque a gente entendeu o projeto do Fernando. Ele teve todo o apoio da diretoria, dos jogadores e, algum tempo depois, dos torcedores”, disse Teixeira. 

O diretor de futebol do Audax, contudo, deixou claro que, uma hora ou outra, a saída do treinador será inevitável. “Sem dúvidas, o que a gente mais quer é que todos sejam felizes. Então, se houver uma felicidade para os atletas, para o Fernando Diniz e para os outros membros da comissão técnica, a gente vai pensar com carinho e é lógico que isso vai acontecer. Só espero que não seja tão imediato, que não seja agora”, encerrou.