Bethe lamenta “fatalidade” contra Ronda e detona: “arrogante e mal educada”

  • Por Jovem Pan
  • 11/08/2015 10h34
Ronda Rousey nocauteou Bethe Correia em 34 segundos

A luta entre Ronda Rousey e Bethe Correia ainda não saiu da cabeça da brasileira. Derrotada em apenas 34 segundos com um nocaute arrasador, Bethe “Pitbull” não engoliu a americana que, segundo ela, é arrogante e mal educada. Em entrevista exclusiva ao repórter André Ranieri, da Rádio Jovem Pan, a lutadora paraibana relembrou o combate, lamentou o apoio que a mídia deu a Ronda, atacou a rival e destacou que não se arrepende da postura que teve diante da americana.

“O que percebi é que tudo que a Ronda fala é bonito, não existe critica para o lado dela. Quem assistiu o TUF em que ela foi técnica, viu que a Ronda é a maior arrogante que existe. Mal educada, nunca respeitou nenhum adversário, mostrava o dedo para a adversária e ninguém mostrava isso. Tudo que eu falava era distorcido. Quiseram me fazer de vilã. É mais fácil apoiar quem está em cima e colocar quem está desafiando lá para baixo. A mídia abraçou a causa dela, e percebi isso até no Brasil”, afirmou Bethe que se desentendeu com a americana nos meses que antecederam o combate.

“Quando Ronda marcou a luta comigo, a primeira coisa que ela falou foi que viria ao meu país, me humilhar na minha casa e me fazer ter um encontro com Jesus. Acho isso extremamente pesado. Até falei ‘pô, ela está usando o nome de deus em vão’. Mas ninguém falou nada, todo mundo riu, porque tudo que ela fala, a mídia mostra como se fosse engraçado”, destacou.

Invicta até ser nocauteada por Ronda, Pitbull destacou que a rival age de forma diferente na frente e por trás das câmeras, e acusou a campeão pesos-galos do UFC de fazer gestos obscenos para seus fãs.

“Conheci uma Ronda totalmente diferente do que as pessoas veem. Conheci a Ronda que assisti no TUF. Eu a via rindo e abraçando o povo brasileiro, mas quando não tinha câmera, a vi dando o dedo para os fãs com a minha camisa. Em frente as câmera ela é uma, mas por trás, vi realmente o que ela é. Uma hora a mascara cai”, declarou o brasileira.

Aproveitando as férias após o combate que, segundo Bethe, parou o Brasil e o mundo, o paraibana destacou que soube promover bem sua luta e não se arrepende de nada do que fez na preparação para o duelo.

“Não me arrependo de nada, eu faria tudo novamente porque tudo foi verdadeiro. Tive coragem e ousadia de falar. Não tenho medo de criticas e do que vão falar. Não sou como a Roda que hora se mostra arrogante e agora posa de boa menina. Quem vê o passado sabe como ela realmente é”, disse.

Com o objetivo de voltar a lutar em dezembro de 2015, a lutadora de 32 anos relembrou os 34 segundos diante de Ronda e destacou as dificuldades que tem para se preparar para um combate tão importante como este.

“Eu já esperava (que a americana partisse para a trocação). O que aconteceu ali foi que sofri uma queda, dei um rolamento e caí em cima da grade. Ela estava muito em cima e veio atacando. Não deu tempo de pôr minha postura. Se eu tivesse caído no meio do cage, teria me levantado e daria tempo de colocar minha postura para trocar novamente com ela. Foi uma fatalidade o que aconteceu. Ela aproveitou a oportunidade quando eu estava sem nenhuma base e atacou rapidamente. Mérito dela por ter a explosão. E entrou o golpe certo. Ela pegou na minha têmpora e quando pega o golpe ali, você apaga”, explicou.

“Eu batalhei bastante, apesar de viver num país sem nenhum apoio. Sem patrocínio, treinando em uma academia cheia de ferrugem, tive a coragem de disputar com a americana campeã mundial, cheia de recursos. Sei o quanto cresci e a experiência que ganhei. E sei que isso vai ser mostrado na minha próxima luta, já estou organizando e em dezembro estarei de volta”, completou Bethe Correia.