Bom Senso FC apresenta calendário com Série E e copas estaduais

  • Por Ana Cichon/ Jovem Pan
  • 17/03/2014 18h08
Juan

Líderes do Bom Senso FC, movimento criado em 2013 com lema de um “por um futebol melhor para todos”, estiveram reunidos nesta segunda-feira em São Paulo para discussão sobre os dois pilares: fair play financeiro e calendário do futebol brasileiro.

Na primeira parte, os goleiros Fernando Prass, Dida e Roberto participaram, e apresentaram o projeto de instituir controle de dívidas dos clubes. Eles propõe que, no dois primeiros meses após a instalação da ideia, os times não tenham déficit superior a 10%, com valor limite caindo para 5% nos dois anos seguintes. Ao fim destes quatro anos, as equipes que ainda estiveram com dívidas não poderiam participar dos torneios nacionais.

Para a fiscalização uma entidade reguladora seria formada por representantes dos clubes, dos jogadores, da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e também da imprensa, segundo as ideias. O custo, porém, é o que pode travar a viabilidade do projeto. Este órgão regulador custaria em torno de R$ 3 milhões, mais R$ 3,2 milhões por temporada. O Bom Senso FC planeja contar com o apoio da CBF para custear, mas ainda não apresentou o projeto, que seria introduzido em 2016 no futebol.

Na segunda parte os atletas que iniciaram o movimento, Juan e Alex, ao lado de Rogério Ceni e Rafael Silva e outros dois consultores do Bom Senso apresentaram ao público um projeto de calendário para o futebol nacional, que atenderia as demandas de mais jogos para clubes menores e menos partidas para os grandes.

Eduardo Tega, diretor de conteúdo, mostrou o projeto, destacando os números de datas do calendário nacional atual: 103, entre campeonato estaduais, datas Fifa, competições da Conmebol, Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil e a nova Supercopa, que terá o confronto entre o vencedor da Copa do Brasil e do Brasileirão. O projeto é que sejam 88 datas até 2015, batendo com as demandas já atendidas de quarto semanas para férias e quatro semanas para pré-temporada.

“Queremos um calendário racional e equilibrado. No nosso ideal os times grandes terão um máximo de 74 jogos e os clubes pequenos disputarão ao menos 30 partidas. Queremos que os jogos dos clubes não coincidam com as data Fifa, e que o Campeonato Brasileiro tenha a maioria das partidas no fim de semana”.

Sem mexer nas datas Fifa e no calendário da Conmebol, o Bom Senso apresentou a criação de uma Série E no Campeonato Brasileiro, com 432 clubes divididos em 36 grupos, de forma regionalizada, e também a transformação de campeonatos estaduais em copas estaduais, mudando o formato dos confrontos, com uma “pré-Copa” para clubes menores e os grandes com vaga garantida nas fases finais, disputando ao máximo oito jogos.

Para as mudanças, os atletas pediram o apoio da imprensa, ao cobrar e apresentar as propostas, e uma conscientização de quem “manda” no futebol. Rogério Ceni pediu ainda por um ingresso barato, destacando que é um prazer para o torcedor, que deve poder participar. Ele também reforçou o pensamento do grupo de trabalhar pelos atletas de clubes pequenos, que ficam com poucas partidas por ano.

Segundo levantamentos do movimento, 85% dos atletas profissionais ficam seis meses sem atuar. “A gente não tá pedindo nada demais. Só queremos emprego. Você se consideraria um profissional da sua área se só trabalhasse três meses com isso, por exemplo? Organização é o que a gente quer, deixar de ter atravessado no futebol, política precisa ser importante”.

Alex, um dos líderes do movimento, falou que estão colando muitas coisas nas costas do movimento, e que não é possível defender todas as vertentes, ao menos neste começo. Ele citou que vários dirigentes se colocaram a disposição para tentar entender as propostas do Bom Senso e contou que até o vôlei procurou o movimento. “O esporte brasileiro como um todo está com problemas. Temos condições que fazer muito, uma país que vai sediar a Copa, e daqui dois anos as Olimpíadas e tem muito atleta desempregado, sem apoio”.

Confira a proposta de calendário do Bom Senso FC:

Série A

– 20 times

– 38 jogos

– 4 melhores equipes se classificam à Libertadores;

– 4 piores equipes caem para a Série B;

Série B

– 20 times;

– 38 jogos

– 4 melhores equipes sobem para a Série A;

– 4 piores equipes caem para a Série C;

Série C

– 48 times, divididos em 4 grupos;

– De 34 a 38 jogos;

– 4 melhores equipes sobem para a Série B;

– 4 piores equipes caem para a Série D;

Série D

– 144 times, divididos em 12 grupos;

– De 32 a 38 jogos;

– 12 equipes sobem para a Série C;

– 36 piores equipes são rebaixadas para a Série E;

Série E

– Torneio regionalizado;

– 432 times, divididos em 36 grupos;

– De 22 jogos a 34 jogos;

– 36 melhores equipes sobem para a Série D