Brasil chega a doze candidatos ao Rio-2016 pegos no doping em um ano

  • Por Agência Estado
  • 12/02/2016 15h45
SP - CORRIDA SÃO SILVESTRE - GERAL - Chegada do pelotão de elite feminino com Wude Ayalew Yimer (Etiópia) em primeiro lugar, Delvine Relin Meringor (Quênia) em segundo lugar, Failuna Abdi Matanga (Tanzânia) em terceiro, Sueli Pereira Silva (Brasil) em quarto e Joziane da Silva Cardoso (Brasil) em quinto na 91ª edição da Corrida Internacional de São Silvestre, na Avenida Paulista, em São Paulo (SP), na manhã desta quinta-feira (31). 31/12/2015 - Foto: PETER LEONE/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOSueli Pereira foi a melhor brasileira na última São Silvestre ao terminar no quarto lugar

Descontando atletas amadores e de menor nível técnico, pelo menos 12 esportistas brasileiros com chances reais de estarem nos Jogos Olímpicos do Rio-2016 foram flagrados em exames antidoping em 2015. O caso mais recente é de Sueli Pereira, melhor brasileira da última edição da Corrida Internacional de São Silvestre, que teve resultado adverso para o hormônio sintético EPO. Duas semanas depois, em 10 de janeiro, ela voltou a testar positivo durante a Corrida de Reis, em Cuiabá.

De acordo com a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), atualmente 12 brasileiros cumprem suspensão por doping, sendo dois deles atletas que estão inelegíveis para toda a vida. A maioria dos esportistas desta lista, entretanto, participa somente de corridas de ruas e não tentavam vaga na Olimpíada.

Não é o caso de Sueli Pereira, quarta colocada no ranking brasileiro da maratona em 2015 e que, com o tempo de 2h39min36s, tem índice para os Jogos Olímpicos do Rio. De acordo com a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD), ela foi notificada sobre os resultados dos exames na semana passada. A CBAt ainda não aplicou a suspensão provisória usual neste tipo de caso.

A lista de atletas atualmente suspensos pela CBAt inclui Vanda Gomes dos Santos, membro do revezamento 4x100m na última Olimpíada, que vai cumprir gancho até setembro. Quem também está afastada é Simone Alves da Silva, recordista sul-americana dos 5 000m e afastada das pistas desde 2011.

A modalidade recordista de atletas suspensos por doping, entretanto, é o ciclismo. Só no ano passado foram quatro casos, incluindo nomes de peso como Uênia Fernandes, da seleção brasileira feminina, e Fernando Fikler, campeão nacional no sub-23. Em 2014, outros seis brasileiros foram punidos por doping na modalidade.

O levantamento de peso teve três casos divulgados de doping no ano passado. Pat Mendes foi flagrado nos Jogos Pan-Americanos, enquanto duas atletas menores de idade, uma delas campeã mundial júnior, caíram em exames realizados no Campeonato Sul-Americano, em dezembro.

No remo, Kyssia Cataldo e Nayara Furtado foram excluídas da delegação que disputaria o Pan em Toronto após serem flagradas no doping em um exame surpresa enquanto já treinavam com a natação. Também num exame surpresa caiu Clélia Costa, medalhista de bronze no Mundial Feminino de Boxe.

Também o futebol tem um atleta da seleção olímpica suspenso por doping: o meia Fred, que atua na Ucrânia e testou positivo para um diurético durante a Copa América do ano passado. Outros dois casos de doping, dos volantes Wellington e Nilton, do Internacional, não estão relacionados a jogadores com chances de irem à Olimpíada.

A natação não teve casos positivos de doping em 2015. O caso mais recente foi de João Gomes Júnior, que cumpriu seis meses de suspensão após o Mundial de Piscina Curta de 2014 e já voltou a competir. Porém, um nadador de alto rendimento segue suspenso: Evandro Silva, especialista nos 400m medley. Entre 2010 e 2014, o Brasil teve 15 atletas da natação suspensos por doping.