Brasileira dá lição de vida e leiloa medalha olímpica para curar filho de doença rara

  • Por Jovem Pan
  • 05/04/2016 16h10

Ex-jogadora de basquete Cláudia Pastor vai leiloar a medalha de prata dos Jogos de Atlanta

Ex-jogadora de basquete Cláudia Pastor vai leiloar a medalha de prata dos Jogos de Atlanta

Uma medalha olímpica, independente da cor, é, sem dúvidas, a maior conquista que um atleta pode ter na vida, certo? Errado. E a prova disto está no Brasil. Vice-campeã nos Jogos de Atlanta, em 1996, a ex-jogadora de basquete Cláudia Pastor vai abrir mão do principal símbolo de sucesso esportivo por uma causa maior: curar o filho de uma rara doença. Ela contou tudo em entrevista a Fredy Junior para o Domingo Esporte, da Rádio Jovem Pan. 

O filho de Cláudia, Maurílio, de 13 anos, tem um tumor conectado ao hipotálamo – que é uma região do encéfalo responsável por ligar o sistema nervoso ao sistema endócrino, controlando a maioria das funções vegetativas, endócrinas, comportamentais e emocionais do corpo humano. O tratamento para este problema, contudo, não é eficiente no Brasil. A ex-jogadora terá de levar o filho novamente à capital da França para a realização de uma segunda cirurgia – a primeira surtiu efeito, mas não curou o jovem. 

Cláudia, contudo, não tem recursos para bancar uma nova viagem e operação ao filho. Além das despesas decorrentes do deslocamento, a ex-pivô precisará desembolsar 18 mil euros (R$ 73,5 mil) somente ao hospital que fará a cirurgia. Mas ela já marcou o procedimento. Ele ocorrerá no dia 13 de abril, e, para arrecadar dinheiro, Cláudia Pastor conta com doações e aposta em um leilão um tanto quanto surpreendente: o da sua medalha de prata olímpica. 

“Se eu não entrasse de corpo e alma nessa campanha, eu não conseguiria alcançar esse valor. A minha ideia, então, foi abrir mão do que eu tivesse de mais valioso. O que eu mais tenho de valioso na minha vida esportiva é a medalha de prata olímpica. Mas o que eu mais tenho de valioso na minha vida é o meu filho“, afirmou a ex-jogadora de basquete, dando uma incrível lição.

 “O que eu costumo dizer é o seguinte: eu já sou vice-campeã olímpica, independente do símbolo dessa conquista, que é a medalha de prata que eu carrego comigo há 20 anos. Então, eu não estou me desfazendo da minha carreira vitoriosa, e sim de um símbolo que mostra o quanto foi vitoriosa essa geração do basquetebol feminino. Estou abrindo mão de um símbolo de uma vitória por uma vitória real, que é a cura do meu filho. Faço isso com o coração muito leve e uma tranquilidade muito grande, porque eu tenho certeza que é o correto a ser feito no momento, acrescentou. 

O leilão da medalha de prata dos Jogos Olímpicos de 1996, conquistada por uma fabulosa equipe comandada por Hortência, Paula e Janeth, será realizado nesta quinta-feira, neste site aqui. Os lances poderão ser dados por qualquer internauta. Este valor, certamente, vai se somar à boa quantia já acumulada por Cláudia até o momento. Servidora pública do Tribunal Regional do Trabalho de Americana, no interior de São Paulo, ela já tem quase 50% do dinheiro necessário para a viabilização da cirurgia.  

As crises parciais de convulsão de Maurílio, que são o principal sintoma do problema no hipotálamo, já diminuíram após a primeira intervenção cirúrgica, mas ainda não cessaram. Foi isto o que motivou o agendamento da segunda operação. De cara, o garoto não concordou com a atitude da mãe, que sacrificará a medalha de prata olímpica para pagar o tratamento. Mas, depois, ele entendeu que a grande vitória da vida de Cláudia seria, na verdade, garantir-lhe uma vida saudável.  

No início, ele estranhava a minha atitude, porque todos se referem à mãe dele como a vice-campeã olímpica, que tem a medalha de prata. Ele não conseguia entender como eu poderia abrir mão disto“, contou a ex-jogadora. “Então, expliquei a ele que os valores existem, mas que a gente precisa ponderar e ver o que realmente é prioridade na nossa vida. O que é prioridade hoje para mim? Expor a medalha para que as pessoas cheguem e visualizem um feito ou ver o meu filho crescer tranquilo, saudável e sem sofrimento? Óbvio que a segunda opção, ?, finalizou. 

Além do leilão da medalha, marcado para a próxima quinta-feira, Cláudia tem promovido ações para arrecadar dinheiro para o tratamento de Maurílio. Na página Todos Pela Cura do Maurílio, no Facebook, há todas as informações necessárias. Quem quiser doar valores para ajudar o garoto de 13 anos, basta fazer transferências à conta bancária aberta em nome de Maurílio Josef, na Caixa Econômica Federal (agência 2156, conta poupança nº33.800-8, CPF 493.993.218-43).