Brasileiro brilha e dá vitória ao Defensor sobre o Cruzeiro pela Libertadores

  • Por Agencia EFE
  • 11/03/2014 21h23
Dagoberto disputa bola na derrota do Cruzeiro

O Cruzeiro viajou até o Uruguai, e mesmo jogando com um homem a mais durante boa parte do segundo tempo, acabou batido nesta terça-feira pelo Defensor, por 2 a 0, em grande noite para um brasileiro, o desconhecido meia Felipe Gedoz, que pôs o time na liderança do grupo 5 da Taça Libertadores.

Nascido na cidade de Muçum, no Rio Grande do Sul, o jovem atleta de 20 anos já interessa clubes italianos, mas hoje se esqueceu de qualquer sondagem para derrubar o campeão brasileiro. Aos 18 e aos 33 minutos do segundo tempo, o brasileiro mostrou categoria, e fez os gols da vitória da equipe de Montevidéu.

Gedoz se profissionalizou no Defensor em outubro do ano passado, e já contabiliza três gols na atual edição da Libertadores, que tem como artilheiro outro brasileiro: Wallyson, do Botafogo, que balançou as redes uma vez a mais que o compatriota.

Com a vitória, a equipe do meia gaúcho chegou aos seis pontos, ficando três a frente de Cruzeiro, Real Garcilaso e Universidad do Chile. O time peruano receberá logo mais a equipe chilena, e em caso de empate, a Raposa irá para a lanterna da chave.

Para a partida em Montevidéu, o técnico Marcelo Oliveira voltou a contar com o zagueiro Bruno Rodrigo e o atacante Dagoberto, poupados da vitória do último sábado contra o Tupi por 2 a 1, pelo Campeonato Mineiro. O jogo marcou também a estreia de Nílton pela Libertadores, após recuperação de lesão no ligamento do joelho.

Quando a bola rolou campeão brasileiro e vice-campeão uruguaio mostraram pouca inspiração. Tanto é que a primeira chance de gol aconteceu apenas aos 17 minutos do primeiro tempo, quando Éverton Ribeiro acionou Dagoberto, que acabou finalizando para fora.

Faltando pouco mais de 10 minutos para o término da etapa inicial, o jogo esquentou, mas a má pontaria de ambos os times não permitiu a abertura do placar. Ricardo Goulart teve sua oportunidade aos 41, mas também não acertou o gol.

O Defensor, então, resolveu arriscar. Aos 43, Gedoz finalizou para fora, e dois minutos depois aconteceu a grande oportunidade de equipe, quando Malvino acertou cabeçada na trave. No rebote, Risso ainda tentou marcar, mas Bruno Rodrigo apareceu para evitar o gol.

Se o fim do primeiro tempo foi ruim para o Cruzeiro, a segunda etapa começou ainda mais complicada, já que o adversário mostrou ter gostado do jogo. Aos 6 minutos, em jogada individual, De Arrascaeta costurou Nílton na área, e bateu, em bola que ainda tocou no volante brasileiro e quase encobriu Fábio.

No sufoco, aos 11, Marcelo Oliveira apostou em dar mais velocidade ao setor ofensivo, colocando Willian no lugar de Marcelo Moreno. Instantes depois, o técnico Fernando Curuchet também mexeu no setor ofensivo, colocando Alonso na vaga de Risso.

E a mexida no time uruguaio teve resultado mais rapidamente, já que aos 18, Andrés Olivera sofreu falta de Rodrigo Souza na entrada da área. Na cobrança, Gedoz mostrou extrema categoria, acertando o ângulo esquerdo do goleiro cruzeirense.

Estabanado, o lateral direito Arias complicou a vida do Defensor aos 22 minutos, ao tentar cortar cruzamento na área e acertar a cabeça de Willian. O jogador, que tinha recebido cartão amarelo pouco antes, acabou expulso.

Na cobrança do pênalti, entretanto, Dagoberto foi extremamente mal. O atacante cobrou rasteiro à esquerda do goleiro Campaña, mas para fora.

Sem opções, restou Marcelo Oliveira colocar o Cruzeiro com tudo para frente. Aos 28, o técnico colocou Marlone em campo no lugar de Rodrigo Souza. Pouco antes, no Defensor, Correa entrou no lugar de Oliveira, para recompor o sistema defensivo.

De novo, quem levou a melhor nas mexidas foram os donos da casa. E com muito estilo. Aos 33, De Arrascaeta iniciou a jogada, aplicando dois chapéus em jogadores cruzeirenses, lançou Gedoz, que mostrou habilidade para dominar, disparar e fuzilar Fábio, ampliando o marcador.

Depois do gol, Tinga entrou no lugar de Éverton Ribeiro no Cruzeiro, e Gedoz, ovacionado pela torcida, deixou o gramado para a entrada de Pais. Por pouco o Cruzeiro não chegou ao gol dessa vez, com Willian, que recebeu na área, bateu de primeiro, mas não acertou o gol, na última boa chance de gol do jogo.

 

Defensor: Campaña; Zeballos, Arias, Malvino e Herrera; Fleurquin, Cardaccio, Gedoz (Pais), Oliveira (Correa) e De Arrascaeta; Risso (Alonso). Técnico: Fernando Curuchet.

Cruzeiro: Fábio; Ceará, Dedé, Bruno Rodrigo e Egídio; Nilton e Rodrigo Souza (Marlone), Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart; Dagoberto e Marcelo Moreno (Willian). Técnico: Marcelo Oliveira.

Árbitro: Diego Abal (Argentina), auxiliado pelos compatriotas Gustavo Rossi e Ernesto Uziga.

Gol: Gedoz (2) (Defensor).

Cartões amarelos: Arias e Zeballos (Defensor); Ceará, Rodrigo Souza, Éverton Ribeiro e Tinga (Cruzeiro).

Cartão vermelho: Arias (Defensor)

Estádio: Estádio Luiz Franzini, em Montevidéu (Uruguai).