Brunoro se diz otimista para sequência do ano e não descarta saída de Valdivia

  • Por Jovem Pan
  • 06/07/2014 15h49

O diretor-executivo do PalmeirasJosé Carlos Brunoro

A Copa do Mundo está chegando ao fim e os clubes paulistas aproveitaram a parada para o Mundial e treinaram, de olho na sequência do Campeonato Brasileiro. Com o Palmeiras não foi diferente. De técnico novo desde antes da Copa, quando contratou o argentino Ricardo Gareca, o alviverde de Palestra Itália está otimista para a sequência da temporada.

Em entrevista à Jovem Pan, o diretor-executivo do clube, José Carlos Brunoro, falou sobre as expectativas para o novo trabalho e como o Verdão trabalhou durante a Copa do Mundo.

“É uma expectativa boa, todos os times aproveitaram bem esta intertemporada. Para nós foi especial, pois deu para a gente trazer um treinador de fora e ele teve tempo de adaptação. Isso é importante. Duro é você trazer durante a competição e tem um tempo de maturação do sistema de ele trabalhar. Isso para nós facilitou. O trabalho tem sido muito legal, muito bem feito, com empenho de todo mundo e acho que vamos ter uma segunda parte de campeonato muito boa”, disse o dirigente, deixando claro o otimismo. “Essa mudança cria uma motivação a mais para os jogadores. Tive uma conversa com ele (Gareca) e me falou assim: ‘jogador, para mim, tem que correr, não tem que andar’. Isso denota muito o que ele pensa. Os treinamentos têm sido com muita intensidade, o time se deslocando muito. Realmente é uma mudança grande. E a gente está gostando muito”, prosseguiu.

Além de um novo técnico, o Palmeiras se reforçou dentro de campo durante a parada para o Copa do Mundo e confirmou as chegadas do zagueiro Fernando Tobio, que defendia o Vélez Sarsfield, da Argentina, e do atacante Pablo Mouche, que estava no Kayserispor, da Turquia. E, para Brunoro, os dois atletas vão ajudar muito a melhorar o plantel.

“São duas contratações que nós estávamos necessitando em função do elenco. São jogadores com certa experiência, apesar de jovens, e são jogadores de muita qualidade. São jogadores daquela relação de contratações que desde o início do ano vínhamos falando. Jogadores para realmente vestirem a camisa. Vão dar uma qualidade muito boa para o elenco”, assegurou.

Ao ser questionado sobre o nome do atacante Lucas Pratto, do Vélez Sarsfield, que também foi cotado para chegar ao Palestra Itália, o diretor-executivo explicou a situação.

“O Lucas Pratto falaram muito na mídia, parecia até que era uma situação definida. Nunca foi definida, até porque os valores são bastante desconfortáveis, vamos dizer assim. Então, para nós, seria muito difícil a vinda dele. Então está distante, mas não descartado, porque o futebol muda a cada cinco, dez minutos”, afirmou José Carlos Brunoro.

Outro assunto que faz parte do dia-a-dia do Palmeiras é a possível saída de Valdivia. Segundo Brunoro, alguns clubes já chegaram a perguntar sobre o atleta, mas nada foi oficializado.

“Existem algumas sondagens, mas sem propostas. A gente parte daquilo que a gente sempre falou, que não existe jogador inegociável, desde que a proposta atenda às perspectivas do clube e do atleta. A princípio, o Valdivia é jogador do Palmeiras, se apresentou quinta-feira (3), conforme solicitado, e se aparecerem as situações a gente vai analisar junto com ele, para que as coisas sejam super claras. Se for importante para o clube e atender às necessidades dele, pode sair sim. Isso vale para qualquer jogador, não somente o Valdivia”, frisou.

Já na contagem regressiva para a comemoração do centenário, que será no dia 26 de agosto de 2014, o Palmeiras prepara uma série de atividades. A celebração, inclusive, será com uma partida contra a Fiorentina.

“São várias atividades. Mais chamativa, digamos assim, é o jogo contra a Fiorentina, comemoração até em função do ídolo Julinho Botelho, que já deixou este mundo e tinha uma relação muito legal com o clube. Tem muita coisa bacana em relação a esse jogo. Faz parte da internacionalização da marca”, falou. “Tem também o jantar do centenário, que vai ser um jantar de gala, vai ter o jogo retrô, que vai ser muito bacana, no Juventus, da época do Palestra Itália, com bola parecida a da época, com uniformes parecendo os da época. Vão participar o Juventus, o Germânia, que é o Pinheiros, o Paulistano. Tem tanta coisa (para o centenário) que minha cabeça não aguenta (risos)”, prosseguiu.

O clube de Palestra Itália também espera que a Fifa reconheça a Taça Rio de 1951 como título mundial e, para José Carlos Brunoro, isso seria a cereja do bolo para o aniversário de 100 anos do Palmeiras.

“Nós estamos muito nesta expectativa, porque seria um prêmio para o centenário, ser o primeiro clube brasileiro campeão do mundo oficializado. Tomara que dê certo e, se der antes da data do centenário, vamos comemorar fortemente”, finalizou.

O Palmeiras volta a entrar em campo no dia 17 de julho, quinta-feira, quando mede forças com o Santos, em jogo válido pela décima rodada do Campeonato Brasileiro.