Campeonato Venezuelano de futebol vive incerteza por decisão no tapetão

  • Por Agencia EFE
  • 10/05/2014 01h32

Caracas, 9 mai (EFE).- O Torneio Clausura do Campeonato Venezuelano de futebol chega neste fim de semana a sua última rodada, mas o campeão pode não ser conhecido no domingo, já que depende de uma vitória do Zamora e de um recurso interposto pelo Deportivo Táchira, que exige disputar novamente uma partida que terminou empatada onde supostamente houve a escalação irregular de um jogador.

O Zamora tem tudo para se sagrar campeão se vencer o Zulia na última rodada neste domingo, mas, caso não conquiste o triunfo, o resultado do campeonato ficará incerto, já que o campeão dependerá da decisão da Federação Venezuelana de Futebol (FVF) sobre a repetição do jogo entre Deportivo Táchira e Estudiantes de Mérida.

O Conselho de Honra da FVF afirmou hoje que após os recursos interpostos pelo Deportivo Táchira por dois jogos do Torneio Clausura ainda “não será possível declarar um campeão”.

“Não se pode declarar um campeão no domingo quando há dois recursos interpostos, que ainda não foram analisados”, disse em entrevista coletiva o presidente do Conselho de Honra da FVF, Carlos Terán.

O Táchira entrou com os recursos para disputar novamente os encontros contra o Atlético El Vigía e o Estudiantes de Mérida, que correspondem à sétima e à décima rodada respectivamente. No primeiro, a equipe foi derrotada por W.O. por não ter entrado em campo por causa dos protestos antigovernamentais na região. Já no segundo, a equipe pede sua anulação pela suposta escalação irregular de um jogador rival.

A FVF autorizou no dia 6 de maio um novo jogo entre Deportivo Táchira e Atlético El Vigía, que ocorreu ontem, com vitória do primeiro por 3 a 2, o que o colocou na terceira posição do campeonato com 34 pontos, empatado com o Mineros de Guayana e com dois a menos que o líder Zamora.

Bastaria um empate para que o Zamora se sagrasse campeão, pois tem uma ampla diferença no saldo de gols sobre os Mineros e o Táchira, mas a FVF afirmou que dará uma resposta para o recurso sobre a partida entre Estudiantes de Mérida e Deportivo Táchira na próxima semana.

Os tachirenses reivindicaram a repetição da partida disputada há quase dois meses pela escalação irregular do goleiro do Estudiantes, Roberts Rivas, que o Táchira garante que lhe pertence.

“O Estudiantes de Mérida não fez os trâmites no início do torneio para que Roberts Rivas fosse emprestado por nossa instituição, ele é nosso jogador”, disse à Agência Efe o assessor de imprensa do Táchira, Javier Jóves.

Jóves informou que o recurso sobre a partida foi apresentado na FVF quatro dias depois do encontro, que terminou empatado em 1 a 1 em 16 de março.

Segundo o artigo 89 dos estatutos da FVF, correspondente ao Conselho de Honra, “os recursos de apelação da decisão se exercerão dentro dos cinco (5) dias úteis”, e a federação “deverá decidir sobre os recursos interpostos dentro de dez (10) dias”, um período que poderia se estender por “mais 10 dias contínuos”.

Representantes de 16 das 18 equipes que integram a primeira divisão venezuelana rejeitaram a anulação das partidas e solicitaram a destituição do Conselho de Honra da FVF.

“O Conselho de Honra da Federação Venezuelana de Futebol tem entre outras as seguintes atuações: emitir decisões tardias e ter um tratamento desigual com todos aqueles que são julgados e punidos por ele”, declararam os representantes dos clubes em um comunicado.

Agora, o Táchira tem a possibilidade de se tornar o campeão do Torneio Clausura e se classificar para a fase de grupos da próxima Taça Libertadores se a FVF autorizar uma nova partida contra o Estudiantes.

Caso isso aconteça e o Táchira saia com a vitória, ganharia mais dois pontos e, se vencer o Aragua na última rodada, terminaria o campeonato com 39 pontos, os mesmos que teria o Zamora no caso de um triunfo no domingo, mas os zamoranos têm uma diferença de 16 gols sobre os tachirenses. EFE