Carlinhos Bala infernizou Corinthians em 2008. Hoje, jura ter “lenha pra queimar”

  • Por Jovem Pan
  • 27/05/2016 18h11
Carlinhos Bala

Sport e Corinthians vão medir forças neste domingo, às 11h (de Brasília), na Ilha do Retiro. E jogoválido pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro, certamente resgatará doces lembranças a Carlinhos Bala, ex-jogador da equipe pernambucana. Aos 36 anos e atualmente no Altos, do Piauí, o atacante ainda guarda com carinho na memória a final da Copa do Brasil de 2008, da qual foi o principal personagem. 

Então com 28 anos, Bala infernizou o Corinthians na decisão do último torneio nacional vencido pelo Sport na história. Primeiro, o artilheiro provocou os alvinegros ao dizer, na saída do gramado do Morumbi, palco da partida de ida da final, que o gol anotado por Enílton nos minutos finais do confronto tinha sido o “do título” do time nordestino – e o duelo havia acabado com vitória corintiana por 3 a 1. Depois, fez um dos gols do jogo da volta, na Ilha do Retiro, e comandou o triunfo do Sport por 2 a 0, que garantiu a taça ao clube rubro-negro. 

Deus foi bom comigo no jogo da volta“, brincou o carismático atacante, em entrevista exclusiva a Daniel Lian para o Plantão de Sábado, da Rádio Jovem Pan. Não dei aquela entrevista para menosprezar o Corinthians de jeito nenhum… Sempre tive um carinho muito grande pelo Corinthiansaté. Mas eu estava defendendo o lado do Sport e tinha que animar a minha equipe para ser campeã. Sabíamos que conseguiríamos reverter o placar, porque éramos muito fortes na Ilha do Retiro“, relembrou, oito anos depois da conquista que o eternizou na história do Sport. 

Desde aquela final, Carlinhos Bala rodou por 12 clubes, mas não conseguiu sequer flertar com um título como o da Copa do Brasil. O único que faturou, por sinal, foi o do Campeonato Pernambucano de 2012, pelo Santa Cruz. O jogador, tão polêmico quanto talentoso, praticamente caiu no esquecimento nos últimos anos e só voltou a ganhar espaço na mídia em 2013, quando apostou (e perdeu) corrida com um cavalo em um jockey de Pernambuco. 

Mesmo assim, ele jura: ainda pode ser útil para o futebol. “Ainda tenho muita lenha para queimar no futebol. Tenho 36 anos, mas continuo correndo feito um menino novo“, gargalhou, feliz por, hoje, integrar o elenco do desconhecido Altos, atual campeão do returno do Campeonato Piauiense.