Cauteloso, Prass alerta para “desgaste mental” em duelo diante do Ituano

  • Por Jovem Pan
  • 29/03/2014 10h50
O goleiro Fernando Prass da S.E. Palmeiras em jogo contra a equipe do C.A. Bragantino durante partida válida pela quarta de final do Campeonato Paulista Série A1 no estádio Paulo Machado de Carvalho (Pacaembu). São Paulo/SP, Brasil - 27/03/2014. Foto: Cesar Greco / FotoarenaFernando Prass não vê Palmeiras como grande favorito diante do Ituano

Focado na decisão. É assim que o Palmeiras, que enfrenta o Ituano neste domingo (30) no Pacaembu, está. A comissão técnica alviverde decidiu antecipar a concentração dos atletas, que aconteceria apenas neste sábado (29) à tarde, para a noite da última sexta (28). Fernando Prass, um dos líderes do elenco, destacou a união dos comandados de Gilson Kleina, disse não ver o Verdão como grande favorito na semifinal e alertou seus companheiros para o “desgaste mental” que o duelo pode gerar nos palmeirenses.

A Jovem Pan transmite todas as emoções de Palmeiras x Ituano com narração de José Manoel de Barros, com reportagens de Wanderley Nogueira e Fábio Seródio e comentários de Fernando Sampaio e Claudio Carsughi. Intervalo e Fim de Jogo ficam por conta de Bruno Vicari. Vander Luiz comanda o Plantão Esportivo. O Jovem Pan Online transmite todas as emoções minuto-a-minuto da partida. Para acompanhar, acesse www.jovempan.com.br a partir das 18h30.

► Confira a tabela do Campeonato Paulista

Sobre a partida diante do Ituano, Prass quer seus companheiros ligados para 90 minutos que decidirão o futuro palmeirense no estadual. “É mais um jogo eliminatório, sem jogo de volta. Esse regulamento torna o jogo ainda muito mais tenso porque qualquer descuido ou erro pode custar a classificação. É muito mais difícil reverter o resultado nesse curto espaço. Além de desgastar a parte física, desgasta a parte mental também”, afirmou.

Questionado sobre uma possível final com o rival Santos, o goleiro palmeirense descartou que o time da capital esteja pensando nisso no momento. “Temos de ter consciência de que faltam três jogos para o título, mas para a gente falta só um. Temos de esquecer o que vem pela frente, até porque, se não passarmos no domingo, não terá mais nada”, declarou. “Não acho que sejamos o grande favorito, claro que levamos uma pequena vantagem por jogar em casa. Mas essa situação de um jogo só é muito complicada, assim como não acho que o Santos é o grande favorito contra o Penapolense. Nesta reta final, a situação tende a se igualar e todos têm condições”, analisou.

Ele destacou a manutenção do grupo campeão da Série B e valorizou a união do elenco. “A gente vem com essa disposição desde o ano passado, tivemos uma equipe que se destacou muito pelo espírito coletivo, às vezes uma ou outra individualidade se destacando. Sempre falamos que esse ano estávamos mais fortes porque temos um grupo mais qualificado, tivemos a permanência da maioria dos jogadores e estamos 100% preparados desde o início da temporada”.

Tendo sofrido apenas 13 gols até o momento no torneio [segunda melhor defesa, perdendo exatamente para o Ituano, que sofreu apenas 10], Prass elogiou a disposição dos homens de frente do Verdão. “Temos de dar parabéns para o Alan Kardec, Leandro, Valdivia… Nenhum time consegue marcar hoje em dia só com seis jogadores, sobrecarrega demais. Os defensores são importantes na parte ofensiva, assim como os jogadores do ataque ajudam na defesa. São fases do jogo que definem isso”, avaliou.

Além da manutenção das peças do elenco, o capitão palmeirense exaltou a “vontade de vencer” do grupo comandado por Kleina. “Sempre falamos que a permanência do Kleina foi importante, mas a manutenção dos jogadores também foi porque criamos um vínculo. Às vezes, um time é campeão e nem sempre os jogadores são amigos. Mas, se puder juntar as duas coisas, é muito mais fácil se sacrificar. E nós criamos isso desde o ano passado. Isso ajuda na hora de ter o espírito de competitividade e disputar cada bola. Os jogadores que estão aqui têm vontade de vencer”, finalizou.