Chapecoense caminhava para maior título de sua história; relembre campanha

  • Por Adriano Sarafim/Jovem Pan
  • 29/11/2016 09h54
Chapecoense caminhava para maior título de sua história; relembre campanha

O Brasil e o mundo choram pela tragédia com a equipe da Chapecoense, que aconteceu na madrugada desta terça-feira (29), em Medellín, na Colômbia, após queda do avião que transportava a os jogadores, comissão técnica e diversos jornalistas de emissoras do país. O time de Santa Catarina, de apenas 43 anos, estava a caminho da primeira partida da final da Copa Sul-Americana, contra o atual campeão da Taça Libertadores, o Atlético Nacional.

A Chape conquistou todas as torcidas do Brasil após conseguir fazer a sua melhor campanha da competição internacional, três anos após sua estreia na Série A do Campeonato Brasileiro. A decisão contra o Nacional de Medellín era o maior momento da história do pequeno time catarinense, a grande chance de marcar seu nome na história do futebol da América do Sul.

Passando por equipes tradicionais do futebol sul-americano como Independiente e San Lorenzo, ambos da Argentina, o time brasileiro provou que tinha força e condições de encarar os rivais colombianos de igual para igual.

Chapecoense x Cuiabá – Segunda Fase

A história do Verdão do Oeste começou em 25 de agosto, na segunda fase da Copa Sul-Americana, e não foi nada fácil. Os catarinenses tiveram pela frente o Cuiabá e perderam a primeira partida por 1 a 0, no Mato Grosso. Provando a força da Arena Condá, a Chapecoense conseguiu impor a sua superioridade e saiu vitoriosa por 3 a 1 na semana seguinte. Os gols foram marcados pelo ídolo e artilheiro Bruno Rangel, que balançou as redes por duas vezes e Lucas Gomes, que anotou o terceiro. O resultado colocou o Verdão na rota do Independiente da Argentina, maior campeão da Libertadores.

Chapecoense x Independiente-ARG – Oitavas de final

As apostas eram totalmente contrárias à equipe brasileira nas duas partidas contra os argentinos, que mesmo anos sem vencer a Libertadores da América, ainda reinam como os maiores campeões da competição com sete títulos. As dificuldades se comprovaram nas duas partidas.

Jogando em Avellaneda, a Chapecoense conseguiu segurar a pressão da equipe Roja e levou um ótimo empate para decidir o seu futuro em Chapecó. Mas os Hermanos não entregaram o osso com facilidade. Mais um jogo recheado de tensão e sem gols entre os dois times, que acabaram levando a decisão da vaga nas quartas de final para as penalidades.

O goleiro Danilo apareceu para brilhar e defendeu quatro de oito cobranças para garantir a vitória por 5 a 4, além da passagem para enfrentar o Junior Barranquilla da Colômbia na fase seguinte.

Chapecoense x Junior Barranquilla-COL – Quartas de Final

A Chapecoense não teve uma vida fácil para chegar em Barranquilla, na Colômbia. Após quase dois dias de viagem, o time sentiu o cansaço e viu os adversários vencerem por 1 a 0, fazendo a necessidade de se reverter o resultado na Arena Condá com pelo menos dois gols de diferença.

Com muita intensidade e forte apoio da torcida, o Verdão conseguiu atropelar os rivais por 3 a 0, com gols de Ananias, Thiego e Gil. Mais uma vez a vida não seria fácil na semifinal: o San Lorenzo estaria em seu caminho rumo à final histórica.

Chapecoense x San Lorenzo-ARG – Semifinal

Mais um campeão da Libertadores no caminho da Chapecoense e muita tensão nas duas partidas. O San Lorenzo da Argentina conheceu a força da Chape, que não se intimidou no Estádio Nuevo Gasômetro. Após sair atrás no placar, os brasileiros buscaram o empate e levaram um ótimo resultado para Santa Catarina.

Na Arena Condá, a Chapecoense precisou segurar a pressão dos argentinos para dar um flechada na América e deixar o Brasil inteiro encantado com a possibilidade de um título inédito para o pequeno clube. O goleiro Danilo mais uma vez mostrou que era um dos principais goleiros do Brasil no momento e fez uma ótima defesa no último lance do jogo para comemorar a vaga na final, que infelizmente se tornou também a sua passagem para a maior tragédia envolvendo um clube brasileiro na história.