Chile tem aumento de denúncias de clonagem de cartões na Copa América

  • Por Agência EFE
  • 12/06/2015 16h03
Tabela da Copa América 2015 em aeroporto

A chefia nacional de crimes financeiros da Polícia de Pesquisas do Chile (PDI) detectou um significativo aumento de denúncias de clonagem de cartões de crédito em três cidades-sede da Copa América.

Valparaíso, Concepción e a capital Santiago são as cidades preferidas destes criminosos, que colocam aparelhos para clonagem das tarjas magnéticas dos cartões (skimmers) e microcâmeras nos caixas.

“Estamos trabalhando para reconhecer e deter estas pessoas estrangeiras, sobre as quais já temos imagens”, disse à Agência Efe o delegado Roberto Villarroel, da chefia de crimes financeiros da PDI.

A autoridade acredita que os criminosos poderiam viajar para outras cidades-sede, por isso evitou dar mais detalhes sobre sua identidade.

Segundo estatísticas fornecidas por Villarroel, entre janeiro e junho deste ano, só na região do BíoBío, onde fica a cidade de Concepción, foram registradas um total de 321 denúncias por este crime, das quais mais da metade aconteceram durante junho, 403% a mais que no mesmo mês do ano anterior.

Na região de Valparaíso, entre janeiro e junho deste ano, foram denunciados um total de 120 casos, 79% a mais do que em 2014.

Na Região Metropolitana de Santiago, principal sede da Copa América, foram contabilizadas 283 denúncias, 38,5% a mais que entre janeiro e junho do último ano.

“Nossas estatísticas apojntam que as clonagens acontecem com maior frequência nos finais de semana do fim do mês, entre as 13h e 15h e entre 20h e 21h”, disse Villarroel.

O delegado fez um apelo à população para que adote as medidas necessárias para evitar ser vítimas destes crimes e recomendou a mudança da senha dos cartões a cada duas semanas.

“Na maioria dos casos, estes criminosos não utilizam imediatamente os dados dos cartões clonados. Muitas vezes os guardam para mais à frente ou os vendem a grupos internacionais, que os utilizarão para fazer compras no exterior”, explicou o delegado.

Além disso, ele recomendou que os usuários balancem um pouco o dispositivo onde os cartões são colocados nos caixas eletrônicos para comprovar se eles não saem do lugar, pois os mecanismos utilizados pelos criminosos para copiar as tarjas magnéticas dos cartões são habitualmente colados com fita adesiva e se soltam facilmente.

“Outro bom conselho é taparmos as teclas com uma mão quando digitamos a senha com a outra, e observarmos se o caixa dispõe de câmeras de segurança que possam registrar qualquer movimento estranho”.