Cicinho conversou e flertou com volta ao São Paulo em janeiro. Mas Bauza barrou

  • Por Jovem Pan
  • 27/05/2016 16h18

Ídolo da torcida tricolor Sivasspor/Divulgação Ídolo da torcida tricolor

Campeão da Libertadores e do Mundial de Clubes em 2005, Cicinho ficou a um passo de retornar ao São Paulo no início do ano. Em entrevista exclusiva a Felipe Motta para o Plantão de Domingo, da Rádio Jovem Pan, o lateral direito de 35 anos revelou que fez contatos com a diretoria tricolor, e contou que ela se interessou pelo seu retorno. Mas o negócio não saiu. O motivo? Edgardo Bauza. 

“A imagem que deixei no São Paulo foi muito boa. Eu sou abordado por muitos torcedores, que pedem para que eu retorne… Isso mexe muito comigo. A saudade existe. Até entrei em contato em janeiro para poder voltar, a diretoria se interessou pelas condições, mas não era a preferência do treinador Bauza, que estava empenhando na contratação de atacantes. Então, não houve essa concretização“, contou o jogador, que hoje atua pelo Sivasspor, da Turquia. 

O desejo de Cicinho de voltar ao São Paulo já é mais do que público. No início do ano, por exemplo, o lateral chegou a gravar um vídeo no qual admitia ter o sonho de novamente vestir a camisa tricolor. Na ocasião, Cicinho se disse feliz com o retorno de Lugano, seu ex-companheiro de elenco, e cravou que, se dependesse da própria vontade, já estaria no Morumbi.  

O que não se sabia é que ele havia entrado em contato com a alta cúpula são-paulina. E nem que ela tinha se interessado em repatriar o jogador, que, depois da conquista do Mundial, em 2005, voltou por empréstimo ao clube em 2010, mas sem sucesso. Ao que tudo indica, se Bauza tivesse dado o aval para o retorno de Cicinho, ele, hoje, estaria brigando com Bruno pela titularidade da lateral direita tricolor. 

O experiente jogador, afinal, garante que ainda está em boa forma. Tudo bem, ele foi rebaixado com o Sivasspor nesta temporada, mas sofreu lesão no joelho e teve interrompido um bom momento – que, inclusive, rendeu-lhe prêmios: Cicinho foi eleito por dois anos consecutivos o melhor lateral direito do Campeonato Turco. Ainda me sinto bem, competitivo, então, se futuramente eu voltar ao Brasil e o São Paulo me abrir as portas, voltarei com o maior prazer“, afirmou. “O futuro a Deus pertence“, finalizou.