Clodoaldo revela mensagem de Capita e desconhece possível problema de saúde

  • Por Jovem Pan
  • 25/10/2016 14h22

Clodoaldo (esq.) jogou com Carlos Alberto Torres (centro) no Santos e na Seleção Brasileira

Clodoaldo (esq.) jogou com Carlos Alberto Torres (centro) no Santos e na Seleção Brasileira

A morte de Carlos Alberto Torres, que sofreu um infarto fulminante na manhã desta terça-feira, no Rio de Janeiro, não pegou apenas público e imprensa de surpresa. Até mesmo os amigos do ex-jogador foram surpreendidos pelo falecimento do capitão do tricampeonato mundial da Seleção Brasileira. 

Em entrevista exclusiva ao Esporte em Discussão desta terça-feira, o ex-volante Clodoaldo, que jogou com o Capita no Santos e na Seleção Brasileira, garantiu desconhecer qualquer tipo de problema de saúde do ex-companheiro 

Clodoaldo contou até que havia recebido uma mensagem recente de Carlos Alberto Torres pelo celular. Bem-humorado, o Capita procurou o amigo para avisar que, agora, estava “também no Zap Zap” – apelido do aplicativo de envio de mensagens instantâneas WhatsApp.

“Eu estive com o capitão em vários eventos durante a Copa do Mundo de 2014, e em nenhum momento ele me falou sobre algum tipo de problema de saúde. O problema dele era sempre o mesmo: o joelho. Igual a mim“, afirmou Clodoaldo. 

Nós trocávamos ideia, falávamos que tínhamos de começar a usar tênis. Mas nunca soube de algum tipo de problemas mais sério dele, não. Acho que foi uma surpresa para todosA única coisa que eu sei é que ele gostava de fumar. Recentemente, ele até me mandou uma mensagem dizendo que estava no Zap Zap, também“, acrescentou. 

“Maior capitão da história da Seleção” 

Ainda durante a entrevista exclusiva à Rádio Jovem Pan, Clodoaldo lamentou profundamente a morte de Carlos Alberto Torres, a quem considerou o “maior lateral direito da história do futebol e maior capitão da história da Seleção Brasileira”. 

“É um dia muito triste para todos os brasileiros. Perder o capitão no dia de hoje foi muito triste. Eu serei eternamente grato a este cara, porque, desde o início da minha carreira, ele sempre me incentivou muito… Falava para os técnicos que, apesar de muito jovem, eu tinha que jogar, porque tinha qualidade. Eu vivi momentos inesquecíveis ao lado desse cara”, emocionou-se Clodoaldo. 

ex-volante jogou ao lado do ex-lateral no Santos e na Seleção Brasileira entre o fim da década de 1960 e o início dos anos 1970. Foi Clodoaldo, por sinal, quem deu início à jogada que marcou a carreira de Carlos Alberto Torres – o quarto gol do Brasil na final da Copa do Mundo de 1970, contra a Itália. 

“Sempre que eu me encontrava com o Capitão, eu brincava muito com ele sobre esse lance. Eu dizia que um pedacinho daquele gol era meu. E ele falava que não, que não era só um pedacinho, não. Que eu tinha começado toda a obra e que ele só deu o arremate final. Era muito legal falar com ele. Tinha um respeito enorme pelo capitão”, elogiou.  

“O Carlos Alberto era um líder incrível. Era o cara que, naquela Seleção de 1970, falava todos os dias que nós iríamos ser campeão. Ele mandava todo mundo ficar tranquilo porque iríamos ganhar a Copa. Para mim, foi o maior lateral direito da história do futebol e maior capitão da história da Seleção Brasileira”, encerrou.