COI decidirá em 2016 novos esportes que serão incluídos em Tóquio 2020

  • Por Agencia EFE
  • 05/02/2015 10h49

Tóquio, 5 fev (EFE).- O Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou nesta quinta-feira que decidirá em 2016 sobre os novos esportes que serão incluídos na programação dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, antes mesmo da realização da edição anterior do evento, no Rio de Janeiro, em agosto do próximo ano.

O anúncio foi feito pelo vice-presidente do COI e responsável pela Comissão de Coordenação para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, John Coates, que visitou a capital japonesa hoje para verificar como estão os progressos da organização.

Em dezembro de 2014, o COI autorizou aumentar o limite atual de 28 modalidades disputadas nos Jogos Olímpicos, abrindo assim a porta para a inclusão de novos esportes na competição.

O órgão pretende estabelecer critérios para a escolha já em abril. Depois, começará a analisar as candidaturas das modalidades que mostrarem interesse em integrar o calendário olímpico, tomando uma decisão pouco antes dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio.

O COI levará em consideração na escolha fatores como o custo da organização, os países onde o esporte é praticado e o acompanhamento da modalidade entre os jovens, afirmou Coates.

O vice-presidente da entidade não quis cravar a quantidade de novos esportes que poderão ser incluídos nos Jogos Olímpicos, alegando que isso dependerá do formato da competição e do número de atletas participantes.

Atualmente está prevista a participação de 10 mil atletas, entre 304 e 310 provas esportivas em Tóquio 2020, destacou Coates.

Entre os esportes que tentam fazer parte dos Jogos Olímpicos estão o beisebol, o softball feminino, o caratê e o squash.

Além disso, o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de 2020 anunciou hoje que estuda uma realocação das sedes das competições de ciclismo em pista, ginástica e hipismo para evitar ultrapassar o orçamento inicial.

Essas mudanças seguem as recomendações do COI para que o “evento esportivo seja mais sustentável”, afirmou Coates.

“Tóquio fez bons progressos desde nossa última visita em novembro, e agora parte para o que será um ano muito ocupado”, ressaltou o vice-presidente do COI. EFE

ahg/lvl