Com bares de rivais paulistas, Dublin é pintada de verde por título do Palmeiras

  • Por Luiz V. Andreassa/Jovem Pan
  • 03/12/2015 18h28
Torcedores palmeirenses comemoraram o título na Connel Street durante a madrugada de Dublin

A festa palmeirense pelo título da Copa do Brasil, conquistado nesta quarta-feira diante do Santos, não se limitou às fronteiras do país. Os moradores de Dublin, capital da Irlanda, que ficaram acordados até mais tarde na madrugada de quarta para quinta puderam ver diversos torcedores do Verdão ocupando as ruas da cidade e pintando o local ainda mais de verde – a cor do uniforme da seleção local. Um deles foi o jornalista Gabriel Ferreira, que mora há três meses no local.

“A expectativa estava grande desde o final de semana. Dublin é uma região que tem muitos brasileiros: 10% dos imigrantes não europeus da Irlanda são brasileiros, e muitos deles são palmeirenses. Aqui tem um bar que se chama The Living Room e passa todos os jogos do Palmeiras. Ele costuma ser o QG (quartel general) dos palmeirenses aqui em Dublin”, disse Gabriel. O estabelecimento, no entanto, conta com um “rival”.

“Tem também um bar que usualmente transmite os jogos do Corinthians, é o Bar do Australiano, bem famoso aqui. É uma rivalidade: tem o The Living Room, que é o bar dos palmeirenses, e o Do Australiano, que é dos corintianos. São as duas torcidas mais numerosas em termos de brasileiros em Dublin”, relatou. Mas, depois do pênalti convertido pelo goleiro e herói Fernando Prass, somente a parte verde da “colônia” brasileira de Dublin fez festa.

“Logo após o título, o pessoal permaneceu no bar. Estava todo mundo muito feliz, comemorando, temos uma ‘moral’ no lugar, o dono é irlandês mas gosta do Palmeiras. Mas como aqui na Irlanda os bares têm costume de fechar mais cedo, tivemos de achar outro lugar para comemorar e fomos para a principal rua do centro, chamada Connel Street. O ponto principal da comemoração foi o monumento chamado de Spire. Havia cerca de 200 palmeirenses no centro da cidade, o que não é muito comum aqui em Dublin porque o pessoal costuma dormir cedo, ficar em casa, até pelo clima frio, mas a noite foi bem quente para os palmeirenses”, contou o torcedor, que conheceu os companheiros em um grupo no Facebook.

“O grupo Palmeiras Dublin completou um ano em agosto, então ele tem um ano e quatro meses de existência. É uma coisa duradoura e que vai se renovando a cada mês, porque cada vez mais chegam brasileiros e palmeirenses aqui em Dublin, então é um ciclo que se renova”, relatou Gabriel Ferreira. Para ele, os encontros são uma forma de matar a saudade do Brasil e da proximidade com o time.

“É meio estranho torcer de longe. No Brasil, eu costumava ir ao estádio para trabalhar, trabalhei com rádio, e ia muito também para torcer. Tinha o costume de estar perto do time, da torcida, tinha amigos que iam ao estádio comigo. Eu vivia muito o futebol e o Palmeiras, então para mim é uma coisa complicada torcer de longe, mas, graças à internet, graças aos amigos que estão aqui, é uma coisa que acaba aproximando mais a gente do time de coração”, disse o palmeirense tricampeão da Copa do Brasil.