Com dor e acreditando na volta, Anderson Silva afirma que teria vencido Weidman

  • Por Jovem Pan
  • 13/01/2014 09h53
Anderson Silva 170312

Anderson Silva fraturou a fíbula e a tíbula da perna esquerda no dia 28 de dezembro, ao tentar um chute em Chris Weidman, na luta de revanche pelo cinturão do UFC. Desde então, segue em recuperação da cirurgia, que o deixou com uma haste de titânio na perna, na extensão do fêmur, e três parafusos, e com dores a todo o momento.

Em entrevista ao Fantástico, Anderson Silva revelou que não consegue dormir uma noite inteira, e que chega a pedir à esposa para dar uma volta de carro para não assustar os filhos com o choro de dor.

“Me passa um filme de tudo que aconteceu antes até eu chegar naquele momento do acidente. A todo momento eu estou tentando entender o porquê. Por que eu tinha que quebrar a minha perna. Por que eu tinha que estar passando por essa situação? Eu estou tentando entender qual é a mensagem que Deus está tentando me dar nesse momento”.

Dando poucos passos com a muleta, o lutador é confiante ao afirmar que, se a lesão não tivesse ocorrido, teria vencido o confronto com norte-americano. “Ele não me venceu. Eu acho que foi uma fatalidade que aconteceu. A regra é clara. Eu tenho plena certeza que teria vencido ele se tivesse mais luta”.

Ainda sem poder iniciar a fisioterapia pela falta de força na musculatura, Spider vai se preparando para a volta, embora a família seja a favor da aposentadoria. Mas ele também se prepara para ouvir um “não, você não pode voltar a lutar” dos médicos. “Eu tenho medo de não poder colocar carga na minha perna de novo. Eu tenho 38 anos, faço 39 agora em abril, mas esse é um medo que está ali correndo comigo no dia a dia na minha recuperação. Mas eu estou confiante que eu vou conseguir, que eu vou voltar”.

Analisando a luta que ocasionou o acidente, ele comenta que vê erros: “para que eu pudesse dar o chute perfeito nesse exato momento, eu tinha que ter desviado a atenção dele com um soco no rosto. Para que eu desviasse totalmente a atenção dele do movimento do chute. Ele está protegendo o chute da linha da cintura para cima. E ele levantou a perna dele instintivamente. Ele se desequilibrou. O chute foi forte ao ponto de ele se desiquilibrar”.