Com a marca do rebaixamento, Tirone relembra os tempos com o pai diretor

  • Por Fredy Junior
  • 15/08/2014 14h28
PALMEIRAS ELEICAO - 19/01/2011 - SAO PAULO - ESPORTE - Eleicao para eleger a nova diretoria do Palmeiras -Arnaldo Tirone, eleito presidente do palmeiras - FOTO LEONARDO SOARES/AEArnaldo Tirone

O torcedor palmeirense costuma não guardar muito carinho por Arnaldo Tirone. Presidente do Palmeiras entre 2011 e 2012, o dirigente ficou marcado pelo rebaixamento do clube em seu último ano de mandato. Mas isso não quer dizer que o sobrenome não está marcado na história alviverde. Tanto que o Tirone guarda com carinho os tempos em que o seu pai foi diretor do clube.

“A Primeira Academia, que meu pai participou (também Arnaldo Tirone, diretor do clube na época). Eu me lembro da chegada do Ademir da Guia, quando ele chegou na concentração ele não tinha lugar para sentar e sentou na nossa mesa para sentar. Estava eu, o motorista do ônibus Toninho e o massagista Reis. Tive grandes momentos nos Anos 60 com o meu pai”, conta.

Mas nem tudo foi trágico na gestão Tirone. Foi sob o seu comando que o palmeiras venceu a Copa do Brasil, também em 2012.

“Foi uma conquista importante também. Fazia 10 anos que o Palmeiras não conquistava um título nacional e conquistamos o título invicto”, exalta.

Mesmo assim, o próprio mandatário admite que a sua gestão ficará marcada pelo rebaixamento no Campeonato Brasileiro, apesar de o clube contar no momento com Henrique, Wesley, Valdivia e o técnico Felipão.

“Mas em seguida, com aqueles 11 jogadores machucados, o time mal no Campeonato Brasileiro, as perdas de mandos de jogos, não conseguimos nos recuperar e infelizmente fomos rebaixados”, diz Tirone.

“Infelizmente aconteceu, foi uma coisa que marcou, sofri muito, mas espero que nunca mais aconteça com o Palmeiras”, completa.