Com show de Neymar, Brasil atropela Japão e mantém invencibilidade pós-Copa

  • Por Jovem Pan
  • 14/10/2014 09h37

Craque marcou 4 vezes na partida e foi o grande nome na vitória sobre o Japão

CBF/Divulgação Neymar comemora gol contra o Japão

Neymar afirmou na vitória contra a Argentina que ficou devendo ao perder chances claras e mostrou que não cometeria o mesmo erro na manhã desta terça-feira (14). O craque do Barcelona foi o nome da vitória sobre o Japão por 4 a 0, em Cingapura, marcando os quatro gols da partida. Essa foi a quarta vitória do técnico Dunga em quatro jogos disputados desde a sua volta ao comando da Seleção Brasileira. 

O atacante abriu o placar na primeira etapa após lançamento de Tardelli. No segundo tempo, o artilheiro marcou três vezes para garantir a superioridade brasileira sobre os japoneses.

A equipe volta a se reunir no mês de novembro, quando terá pela frente os amistoso contra a Turquia, no dia 12, em Istambul e no dia 18, contra a seleção austríaca, em Viena.

Neymar faz o dele e Brasil fica na frente

Os japoneses surpreenderam os brasileiros e começaram o jogo apertando a saída de bola, criando dificuldades para os comandados de Dunga. O campo também deu problemas para que a técnica mais apurada do Brasil se impusesse sobre a velocidade nipônica.

Sem criar chances de perigo, o Japão pouco assustou Jefferson e a defesa. No ataque, Neymar e Tardelli pareciam meio sonolentos, errando muitos passes e estando longe um do outro.

A guinada brasileira aconteceu exatamente quando os dois homens de frente se aproximaram. Na primeira chance clara dos pentacampeões, Neymar cobrou uma falta frontal e mandou na ponta do travessão. Na sua segunda chance, o craque do Barcelona não perdoou.

Tardelli viu o camisa 10 avançando em velocidade e deu uma bela enfiada de bola. O atacante driblou Kawashima e chutou no alto para balançar a rede, aos 17 minutos.

Pouco mais tarde, o ex-santista teve outra boa oportunidade. Ele recebeu na frente, driblou o marcador e bateu cruzado, quase marcando o segundo.

O ritmo brasileiro diminuiu e o Japão buscou algumas alternativas para empatar. Na primeira chance, Kobayashi aproveitou a bobeira da defesa e mandou um belo chute de bate-pronto, quase acertando o ângulo de Jefferson. Aos 34, Okasaki antecipou Miranda e cabeceou com perigo.

A última chance japonesa no primeiro tempo aconteceu nos segundos finais. Após escanteio, a defesa falhou novamente e Shiotani finalizou mal, desperdiçando a grande oportunidade que teve pela frente.

Neymar Show

Dunga aproveitou o número maior de substituições e já fez três alterações logo no intervalo. Éverton Ribeiro, Philippe Coutinho e Mário Fernandes foram a campo. O meia do Liverpool não demorou a se destacar e participou do segundo gol brasileiro.

Aos 2, o jovem jogador deu belo passe de trivela para Neymar e o atacante só teve o trabalho de bater na saída do goleiro adversário para ampliar.

A vantagem deixou o time mais solto em campo e outras chances apareceram antes dos 10 minutos. Em uma delas, Miranda dominou sozinho na área após cobrança de escanteio e bateu bonito e consciente. Kawashima se esticou todo e salvou o que seria o terceiro gol sul-americano.

Os japoneses responderam com Okasaki. O camisa 9 foi lançado e mandou uma bomba na trave do goleiro botafoguense. Aos 13, Neymar teve mais uma grande chance de marcar ao driblar o defensor, tirar o arqueiro e mandar chute forte na rede, mas pelo lado de fora.

Coutinho entrou com muita vontade para tentar garantir novas chances nas próximas convocações. Aos 16, Neymar viu o seu colega sozinho e rolou para ele. O atleta revelado no Vasco já chegou batendo bonito e quase achou o ângulo esquerdo.

Robinho entrou em campo aos 19 e quatro minutos depois quase deixou a sua marca. Neymar arrancou pelo meio, rolou para o santista e ele bateu colocado, quase vazando Kawashima pela terceira vez.

Os japoneses ficaram batidos e o Brasil tocava a bola como quis. Dunga mandou Souza e Kaká a campo. Na sua primeira participação, o são-paulino recebeu cruzamento de Neymar e cabeceou na trave. Na sequência, Coutinho bateu colocado, o arqueiro rebateu mal e o camisa 10 guardou o seu terceiro.

Kaká entrou bem e aos 35, cruzou a bola na cabeça do artilheiro, que marcou novamente.

Com o placar elástico e o Japão sem muito o que fazer para mudar o panorama, a Seleção tocou a bola tranquilamente à espera do apito final, para confirmar a invencibilidade da segunda “Era Dunga”.