Companheiros de operário morto afirmam que vítima estava sem equipamento

  • Por Jovem Pan
  • 01/04/2014 14h55

Além dissoTorre de sustentação de parte da cobertura da Arena Corinthians é retirada

Na última segunda-feira (31), a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo (SRT-SP) suspendeu as obras nas arquibancadas provisórias da Arena Corinthians depois da morte do operário Fábio Hamilton da Cruz e dois companheiros do trabalhador depuseram e afirmaram que ele não estava equipado corretamente na hora da queda.

Israel dos Santos Barreto e William Barbosa de Lima estavam trabalhando junto com a vítima no momento em que ela caiu de uma altura de oito metros da estrutura que estava sendo montada no sábado (29). O delegado Luiz Antônio da Cruz conta o que os dois disseram sobre o momento da queda de Fábio em depoimento.

“Eles disseram que, na hora da colocação dessa peça, que fica sobre três vigas metálicas, faltava da segunda para a terceira viga, alguns centímetros para ela ser encaixada e nisso o Israel, que é o primeiro, teria dito que gritou tanto com o William para o caso do mosquetão quanto com o Fábio, mas o Fábio estava arrumando a roupa debaixo da peça de segurança e, não foi percebido ou ouvido que ele estava com o mosquetão solto, com os dois mosquetões, e ele pisou nessa parte que não estava encaixada. Então uma coisa junto com a outra provocou a queda, segundo eles”, declarou o delegado Luiz Antônio da Cruz.

Ainda na última segunda-feira depôs o presidente da empresa responsável pela obra da arquibancada temporária, a WDS Construções. João Damasceno Sanches disse que não foi dado nenhum tipo de bônus por rapidez na colocação das arquibancadas, mas somente para a assiduidade deles.

A polícia já intimou um técnico em segurança do trabalho e também o gerente responsável pela obra das estruturas temporárias.

As obras das arquibancadas seguem interditadas; ainda nesta terça-feira (1) devem se reunir membros da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego para discutir o caso.