Pela 3ª vez em quatro anos, Conor McGregor anuncia aposentadoria

  • Por Jovem Pan
  • 07/06/2020 10h32
Divulgação/UFCMcGregor não cumpriu o prometido nas duas vezes em que disse que pararia de lutar, uma em abril de 2016 e a outra em março de 2019

O lutador irlandês Conor McGregor, de 31 anos, anunciou a sua aposentadoria pela terceira vez em quatro anos. O anúncio feito no sábado (6), em suas redes sociais, aconteceu após a disputa do UFC 250, em Las Vegas, que teve a brasileira Amanda Nunes como grande vencedora da noite.

“Oi, pessoal. Eu tomei a decisão de me aposentar das lutas. Muito obrigado pelas incríveis memórias. Tem sido uma grande jornada. Aqui está uma foto minha com minha mãe em Las Vegas após um dos meus títulos mundiais. Escolha a casa dos seus sonhos, Mags. Amo você. Qualquer que seja seu desejo é seu”, escreveu.

A publicação surpreendeu os fãs já que McGregor parecia estar inclinado a voltar para o octógono, chegando a ser cotado para lutar contra alguns nomes do UFC, como o nigeriano Kamaru Usman, o russo Khabib Nurmagomedov e o norte-americano Jorge Masvidal.

McGregor não cumpriu o prometido nas duas vezes em que disse que pararia de lutar. Nessas ocasiões, o irlandês foi estratégico e tomou essas decisões para aumentar seus ganhos no UFC.

Em abril de 2016, insatisfeito com a obrigação de participar de eventos promocionais do UFC, escreveu em seu perfil no Twitter que estava deixando o MMA. “Decidi me aposentar jovem. Obrigado pelo dinheiro. Nos falamos depois”, afirmou. Ele, então, acabou sendo retirado da luta contra Nate Diaz. Alguns dias depois, mudou o pensamento e fechou contrato para enfrentar Diaz no UFC 202.

Em março do ano passado, McGregor anunciou o adeus ao MMA pouco depois de dizer que estava negociando uma luta com o UFC para julho daquele ano. Recuou da ideia novamente e voltou ao octógono no início neste ano, quando superou o norte-americano Donald Cerrone por nocaute aos 40 segundos de combate.

McGregor chegou a participar de uma luta de boxe contra Floyd Mayweather em agosto de 2017 e foi derrotado. O ex-campeão dos pesos leve e pena se tornou um dos lutadores mais populares mundialmente. No Brasil, ganhou destaque pela rivalidade com José Aldo, tendo derrotado o brasileiro na luta que lhe valeu a unificação do cinturão dos penas.

*Com informações do Estadão Conteúdo