Com 1ª aparição do árbitro de vídeo, França conta com ajuda da tecnologia para vencer a Austrália

  • Por Jovem Pan
  • 16/06/2018 09h09
Agência EFE

Neste sábado (16), a Arena Kazan foi palco da primeira utilização do VAR, o árbitro de vídeo, nesta Copa do Mundo de 2018. Com ajuda tecnológica, a França viu o árbitro Andrés Cunha assinalar penalidade em Griezmann, convertida pelo atacante, e validar belo gol de Pogba para vencer a Austrália por 2 a 1 e sair na frente no Grupo C do mundial.

Todos os gols da partida tiveram o auxílio da tecnologia e aconteceram no segundo tempo. No primeiro, Griezmann foi derrubado por Ridson, mas o árbitro não marcou nada. Segundos depois, foi informado pelo VAR que a penalidade existiu, correu ao monitor para ver as imagens e apontou a marca da cal. Na cobrança, Griezmann bateu forte e inaugurou o placar.

Minutos depois, Umtiti cortou cruzamento dentro da área francesa com a mão. O pênalti foi marcado na sequência, quando o árbitro foi informado pelo ponto eletrônico sobre a infração. Jedinak foi para a bola e deixou tudo igual.

Por fim, foi a vez de Pogba obrigar a tecnologia a trabalhar. Depois de bela jogada do ataque francês, com intensa troca de passes, o meia do Manchester United soltou uma bomba da entrada da área. Desviada, a bola explodiu no travessão e pingou dentro do gol. Desta vez, foi a tecnologia da linha do gol, que informa o juiz que a bola entrou por meio de um sinal sonoro em seu cronômetro, quem garantiu a confirmação da bola na rede. 2 a 1 França placar final.

Com a vitória, a equipe de Didier Deschamps soma os três primeiros pontos na competição e lidera, enquanto a Austrália fica zera, na quarta posição. Na próxima rodada, que acontece na quinta-feira (21), os franceses jogarão contra o Peru, enquanto a Austrália jogará contra a Dinamarca.

1° Tempo

Abrindo os trabalhos do Grupo C da Copa do Mundo da Rússia, França e Austrália em campo no início da manhã deste sábado. Logo no início da partida, os comandados de Didier Deschamps mostraram que a força da equipe poderia fazer diferença e acumularam uma boa sequência de ataques, mas acabaram nas mãos do goleiro Ryan ou na linha de fundo.

Aos 12 minutos, o primeiro cartão amarelo da partida foi apresentado pelo árbitro para o atacante Leckie, camisa 12 da Austrália, após entrada forte no lateral Lucas Hernández.

A primeira grande boa chance do jogo veio do lado australiano. Ou melhor: da cabeça de Tolisso. Em cobrança de falta na área de Lloris, o meia acabou desviando para a própria meta, obrigando o goleiro a praticar bela defesa e mandar a bola pela linha de fundo.

A partir desse momento, a França até tentou novas investidas ao ataque, aproveitando a qualidade de seus jogadores, mas os australianos seguiram se defendendo bem e o jogo acabou perdendo o ímpeto inicial.

No finzinho da etapa inicial, Behich ainda conseguiu levar perigo ao gol de Lloris novamente, acertando belo chute da entrada da área. Porém, a bola acabou indo por cima do gol.

2° Tempo

No início da segunda etapa, a Austrália conseguiu chegar com perigo em duas oportunidades. Na melhor delas, Varane conseguiu fazer o corte dentro da pequena área antes do chute de Nabbout.

No ataque seguinte, Griezmann recebeu belo lançamento e foi atingido por Risdon. Inicialmente, o árbitro não marcou nada e mandou o jogo seguir. Porém, na sequência, o VAR entrou em ação e o árbitro, após ver as imagens, assinalou a penalidade. Na cobrança, Griezmann soltou a bomba no canto direito e abriu o placar.

Aos 15 minutos, foi a vez da Austrália pedir pênalti após cruzamento na área, desviado por Umtiti com a mão. Sem nem precisar da confirmação do VAR, o árbitro apontou a marca da cal. Na cobrança, o capitão Jedinak deslocou o goleiro Lloris e deixou tudo igual no placar.

A partir daí, as duas equipes trocaram chances de ataque e um festival de mudanças começou. Pela equipe francesa, deixaram o jogo Griezmann, Dembélé e Tolisso para as entradas de Giroud, Fekir e Matuidi. Já na Austrália, saíram o atacante Nabbout e o meia Rogic para as entradas do também atacante Juric e o volante Irvine.

Aos 35 minutos, o auxílio tecnológico voltou a fazer diferença na partida. Em bela troca de passes do ataque francês, Pogba recebeu na entrada da área e bateu prensado. O desvio fez com que a bola explodisse no travessão do goleiro Ryan e pingasse dentro do gol. Com a ajuda da tecnologia da linha do gol, o árbitro apontou para o centro do gramado 2 a 1 e França novamente à frente.

Atrás no placar, o técnico Bert van Marwijk ainda tentou uma última mudança aos 40 minutos, colocando o meia Arzani na vaga do atacante Kruse. No fim, nem mesmo os cinco minutos de acréscimo foram relevantes para que o placar voltasse a ser movimentado, decretando a vitória da França na partida de estreia.