Conspiração até dentro de campo: site ligado ao PCO diz que “imperialismo” tirou o Brasil da Copa

  • Por Jovem Pan
  • 10/07/2018 13h17
EFE"Para o imperialismo o Brasil não podia ser campeão, isso interferiria nos lucros bilionários do mercado europeu", diz o site de notícias do PCO

“Se as pessoas soubessem o que aconteceu na Copa do Mundo, ficariam enojadas”. O título é de um texto falso conspiratório que circula há anos nas redes sociais, e até já virou “meme”, mas poderia facilmente integrar um artigo de um partido político brasileiro sobre o desempenho da Seleção de futebol, publicado no último domingo (8).

Textos do Diário da Causa Operária, ligado ao Partido da Causa Operária (PCO), veem uma suposta conspiração internacional para eliminar o Brasil da Copa do Mundo na Rússia.

“O futebol brasileiro foi derrotado pelas grandes corporações, pelos interesses alheios ao futebol que dominam o futebol”, avalia o artigo.

Para o site de notícias comunista, “a eliminação brasileira foi o resultado de mais um golpe, de mais uma ofensiva dos capitalistas contra os interesses nacionais, de mais um ataque dos capitalistas à soberania do Brasil e do povo brasileiro”.

O texto analítico disponível online diz que “o time brasileiro não foi derrotado pela Bélgica” e classifica como “ridícula” e “totalmente idiota” a explicação de “comentaristas oficiais as emissoras que pertencem aos grandes empreendimentos do mundo das comunicações (corporações capitalistas) tentando explicar a derrota da seleção em função de que um ou outro jogador ‘não atuou bem’ ou ‘não esteva num da feliz'”.

Os autores observam uma “gigantesca pressão” sobre a esquadra brasileira que teriam interferido no equilíbrio e na estabilidade emocional do time, fazendo inclusive os jogadores perderem gols que, “em situação de normalidade”, jamais perderiam.

“Foram pelo menos cinco oportunidades de gol que se convertidos, poderiam facilmente não só mudar os rumos da partida como determinar inclusive uma goleada brasileira frente aos belgas”, afirma a redação ufanista.

Atuação “impecável”

Apesar da citação aos gols perdidos, o mesmo artigo do Diário da Causa Operária não vê defeitos brasileiros no jogo que decretou a volta para casa de Neymar e companhia.

Para o autor do texto não assinado, o Brasil foi perfeito em sua atuação, “mostrando excelente qualidade técnica, entrosamento, uma defesa quase sólida e quase intransponível, um meio de campo forte e marcador e um ataque produzindo jogadas bem coordenadas e articuladas”.

Já a Bélgica, que eliminou a Canarinho por 2 a 1, de acordo com a análise comunista, “reproduziu dentro das quatro linhas o mesmo esquema defensivo, medroso e retranqueiro, a exemplo do que ocorreu com todos os outros adversários que a seleção nacional enfrentou”.

VAR

Outro texto do site do PCO, também do fim de semana pós-eliminação brasileira, critica o uso do “ábitro de vídeo” (VAR), que também teria sido usado para prejudicar o Brasil e em preferência aos países europeus.

“As seleções europeias em vários momentos da Copa foram beneficiadas em lances clamorosos pelo VAR e seus assistentes. Já a seleção brasileira foi em várias ocasiões prejudicada”, diz a análise. Eles citam supostas falta e pênalti não marcados em Miranda e em Gabriel Jesus, no primeiro jogo da Seleção, contra a Suíça. O texto também discorda da não utilização do recurso para analisar supostos pênaltis contra Neymar e Jesus no jogo fatídico contra a Bélgica.

Por que o árbitro de vídeo não foi consultado? “Simples”, avalia o texto. “Para o imperialismo o Brasil não podia ser campeão, isso interferiria nos lucros bilionários do mercado europeu”, conclui o Diário da Causa Operária”.

Neymar 

O texto do site no calor da derrota brasileira da última sexta (6) vai na mesma linha de teoria. A matéria afirma que a Seleção foi “caçada” pela Rede Globo, que “escondia a violência usada pelo Brasil” e “enaltecia seus adversários”. O conteúdo também critica o VAR.

E elogia Neymar, lamentando a violência dos adversários contra o camisa 10. “Em 2014, (Neymar) não arregou, e foi violentamente contundido (lance com o colombiano Zúñiga, pelas quartas de final). Em 2018 foi cassado em campo novamente, sofreu dezenas de faltas em apenas 5 jogos, várias na área. Foi pisado inclusive fora de campo. Neymar aprendeu a se proteger, e jogou até o último segundo, mesmo que machucado”, afirma.

Sobre o jogo em que a Bélgica mandou o Brasil para a casa, o Diário da Causa Operária resume: “a partida foi de brilhantismo não concretizado por parte dos brasileiros, e uma mediocridade suficiente dos belgas”.

“O imperialismo comemora, a taça é praticamente sua, o time falando inglês ou francês. Bilhões correrão para os bolsos da gigantes do material esportivo. A manipulação custou em vários casos a beleza do jogo e várias seleções que mereciam estar na disputa”, lamenta o artigo.