De “Brasileigo” à empolgação de Maradona: conheça as figurinhas carimbadas das Copas

  • Por Jovem Pan
  • 05/07/2018 12h09
Rovena Rosa/Agência BrasiCopa do Mundo é capaz de fazer "Roberto Carlos" e "Bin Laden" torcerem juntos pela Seleção Brasileira

A Copa do Mundo se aproxima das quartas de final e, após 56 jogos e 146 gols marcados, já é possível notar a presença das chamadas “figurinhas carimbadas”. O mascote da Seleção Brasileira, “Canarinho Pistola”, tem roubado a cena na Rússia, mas além dele alguns personagens caricatos ressurgem do anonimato a cada quatro anos. Para alegria de uns e tristeza de outros, a Jovem Pan separa os destaques desse Mundial, confira:

“Brasileigo”

Esse é típico torcedor de sofá e que quase não acompanha futebol, mas que na Copa do Mundo se revela um “expert”. O Brasileigo corneta o esquema tático da Seleção e apresenta outras variáveis ao técnico Tite. Não poupa as quedas de Neymar e o gols perdidos por Gabriel Jesus, mas sempre vibra com a Seleção e ainda brada: “eu avisei”.

Do Contra

Ao contrário do “Brasileigo”, o Do Contra é extremamente pessimista e já tem o discurso na ponta da língua. Para ele todo dia ainda é um 7 a 1 diferente, visto que a Copa do Mundo ainda é o “pão e circo” e o “ópio do povo”. Se recusa a torcer pela Seleção Brasileira por conta da corrupção que impera no País. Mas não reclama quando sai mais cedo do trabalho por conta dos jogos.

Argentinos infiltrados

Maradona melhor do que Pelé e Messi maior do que Ronaldo. Vamos, vamos Argentina! Essas são algumas das frases ditas pelo “admirador” do futebol argentino. Para ele, Boca e River são os melhores times da América e futebol se joga com raça e paixão. Os gritos da torcida, então, nem se comparam. O fã Albiceleste diz que o Brasil não tem música para “alentar” a seleção e ainda faz questão de balançar as mãos como se estivesse em plena Bombonera.

Participante de Bolão

Seja no trabalho, na faculdade, entre a família ou com amigos, o Bolão é tradição em Copas do Mundo. A cada quatro anos, os grupos se reúnem para palpitar sobre os 64 jogos do Mundial. O participante de Bolão não liga se o jogo está ruim quando um modorrento 0 a 0 lhe favorece. Ele é capaz de acordar cedo para acompanhar França x Austrália e ainda consegue palpitar em Irã x Marrocos. O futebol em si fica em segundo plano, pois para ele o mais importante é cravar o placar.

Cadê o Olodum?”

Copa do Mundo não é Copa do Mundo se não tiver o Olodum. Direto das ladeiras do Pelourinho, em Salvador-BA, o grupo de percurssionistas dá o tom nas transmissões de jogos da Seleção Brasileira. A tradição se mantém desde 1990, e o Olodum embalou as conquistas do Tetra (1994) e do Penta (2002). A célebre frase de Galvão Bueno “vamos para o Pelourinho, cadê o Olodum?”, tem marcado gerações e serve como uma espécie de “amuleto” para o Brasil.

Oscar Tabárez

EFE/FRIEDEMANN VOGEL

Aos 71 anos, Oscar Tabárez é técnico mais velho dessa Copa e comanda o Uruguai em seu terceiro mundial. Ao todo são 12 anos de serviços prestados à Celeste, com destaque para o 4º lugar na Copa de 2010 e o título da Copa América de 2011. Além de técnico, Oscar Tabárez é também professor de escola primária e inciou um processo de renascimento do futebol uruguaio em 2006, quando assumiu todas as categorias de base. A imagem de “El Maestro”, amparado por uma bengala à beira do campo, também tem chamado bastante atenção. Tabárez sofre com a síndrome de Guillain-Barré, uma doença neurológica que afeta os nervos e impõem limitações físicas.

Oráculos

Achilles palpita usando potes com ração

Desde 2010, a Copa do Mundo tornou-se um sinônimo para adivinhações de bichos oráculos. O primogênito foi o já falecido Polvo Paul, que acertou o resultado de 12 de 14 jogos no mundial da África do Sul. Paul deixou um legado mundo afora e surgiram animais “videntes”, entre eles panda, tartaruga, capivara… Mas a bola da vez está com o gato Achilles, do zoológico de São Petersburgo. Até o momento, ele acertou cinco jogos e errou dois, entre eles Argentina 2 a 1 Nigéria.

Maradona fanfarrão

Maradona se empolgou com jogo entre Argentina e Nigéria

O “Pibe de Ouro” é aclamado como “Dios” pelos argentinos. Suas aparições nos jogos da seleção são sempre um show à parte. Não à toa, Diego Maradona roubou a cena na Rússia. O ex-craque dançou, vibrou e ficou marcado pelas caras e bocas na sofrida vitória por 2 a 1 diante da Nigéria. Ao final do jogo, Maradona teve uma queda de pressão e precisou ser amparado até um dos camarotes do estádio de São Petersburgo.

Ochoa

Ochoa foi bastante acionado durante a partida entre Brasil e México e não pode evitar a derrota

O goleiro mexicano costuma ganhar os holofotes por suas atuações memoráveis contra a Seleção Brasileira. Somente no duelo das oitavas de final, Ochoa fez quatro defesas difíceis, mas ao contrário de 2014 não conseguiu parar o ataque canarinho. No entanto, o mexicano não tem grande destaque por clubes, atualmente defende do Standard Liége, da Bélgica, e parece entrar numa câmara de gelo, pois só aparece em jogos de Copa.

Kawashima

O Japão sucumbiu nas oitavas de final diante da Bélgica, mas não foi por conta de Eiji Kawashima. O goleiro de 35 anos brilhou no Mundial da Rússia ao fazer a defesa mais bonita dessa Copa, pelo menos até aqui, na derrota por 1 a 0 contra a Polônia. Assim como Ochoa, Kawashima também se “esconde” dos grandes centros do futebol ao atuar pelo modesto Metz-FRA. Vale lembrar que o goleiro participou de sua terceira Copa do Mundo consecutiva.

Gary Lineker

O ex-atacante da Inglaterra foi um dos destaques da Copa de 1986, quando marcou cinco gols naquele mundial. Mas Lineker tem se notabilizado por falar bobagens nas redes sociais. Não bastasse em 2014, quando disse que o Brasil foi um time amador diante da Alemanha, e que David Luiz jamais será um zagueiro, em 2018 ele mostrou novamente sua faceta ao criticar Neymar pelo pisão que recebeu do mexicano Layun. “Neymar deve ter a menor tolerância a dor entre os jogadores da Copa”, twittou o inglês.