Técnico croata transfere para Inglaterra a pressão de chegar à final da Copa do Mundo

  • Por EFE
  • 10/07/2018 15h35
EFECroácia tem surpreendido na Copa do Mundo

O técnico da Croácia, Zlatko Dalic, jogou para o lado da Inglaterra a pressão de chegar à decisão da Copa do Mundo e afirmou que pedirá aos seus jogadores que entrem tranquilos na semifinal entre as duas seleções amanhã, em Moscou.

“Nós não temos razões para ficarmos nervosos nem para nos sentirmos sob pressão”, disse o técnico em entrevista coletiva realizada no Estádio Luzhniki, palco da partida desta quarta-feira.

Dalic disse que irá recorrer ao “sentimento nacional” de seus jogadores para que a seleção croata possa continuar fazendo a felicidade dos 4,1 milhões de habitantes do país.

O técnico afirmou que a presença da Croácia nas semifinais é “absolutamente merecida” e criticou aqueles que, em algum momento, subvalorizaram a atual geração da seleção, para ele do mesmo nível dos jogadores que conseguiram o terceiro lugar no Mundial de 1998.

“Acredito que os jogadores croatas estão mostrando sua qualidade neste Mundial, da mesma forma como estavam fazendo em seus clubes porque alguns deles jogam em grandes equipes como o Real Madrid, o Barcelona e a Juventus”, disse o treinador.

Dalic revelou que o lateral-direito Sime Vrsaljko tem um problema no joelho e que pode ser baixa na partida de amanhã.

“Jogarão os que estiverem 100%”, disse o técnico.

O comandante da Cróacia aproveitou a oportunidade para elogiar o meia Luka Modric, destaque do time, e os demais jogadores croatas.

“Os companheiros sempre esperam que ele faça algo. Com ele, tudo é possível. Luka está jogando o melhor futebol da sua vida, particularmente aqui na seleção, mas todos estão se esforçando muito. Graças a todos eles conseguirmos ser uma equipe compacta, que não dá o braço a torcer. Damos tudo uns pelos outros”, ressaltou.

O mesmo desempenho é esperado pelo técnico diante da Inglaterra, muito estudada por Dalic antes do duelo decisivo.

“Sabemos quais são as ameaças. Eles jogam em um esquema diferente (3-5-2), mas talvez seja melhor para nós pelo futebol ofensivo que eles praticam”, analisou o técnico croata.