“Copa do Mundo não tem mistério nem segredo: é trabalho”, diz Aldo Rebelo

  • Por Jovem Pan
  • 04/02/2014 13h54

Aldo RebeloAldo Rebelo

O ministro do Esporte Aldo Rebelo participou de reunião de trabalho sobre planejamento para a Copa do Mundo nesta terça-feira, em São Paulo, e falou sobre a preparação para o evento, reforçando a preocupação com a segurança.

“Nós temos a responsabilidade, junto com autoridades, não só dos Estados e do Governo Federal, de enfrentar e reduzir a exposição aos riscos da violência, não apenas por causa dos grandes eventos esportivos, mas em defesa da nossa própria população”.  Para ele, no entanto, a exposição ao risco era algo sabido quando o Brasil acolheu a realização da Copa e das Olimpíadas.

“Não de atentados de natureza política e religiosa que acontecem no mundo, mas aos atentados de violência social, crime comum, que ocorrem nas grandes e megacidades do Brasil”.

A invasão no CT do Corinthians no sábado, para ele foi algo lamentável: “Expectativa é que a lei e o Estatuto do Torcedor sejam aplicados e os responsáveis sejam punidos”.

Rebelo visitou o Centro de Treinamento do São Paulo nesta segunda e de Campinas na terça-feira, e segue rumo ao Paraná e Rio Grande do Sul para vistoriar outros locais. “As condições dos CTs são importantes para desempenho do país na Copa de 2014. Vou examinar de perto as condições dos locais onde as Seleções classificadas para copa ficarão nos próximos meses”.

Em relação aos atrasos nas obras, o ministro desconversou e disse que o trabalho é mais importante: “O que falta em mistério e segredo sobra em trabalho para deixar aeroportos em dia, segurança pública, do evento e das delegações, preparar trânsito, mobilidade urbana, portos, concluir os estádios. Estamos trabalhando para tudo”.

Ele também garantiu que o país tem infraestrutura para receber estes eventos de grande porte, e comparou com o Carnaval, dizendo que Rio de Janeiro e Salvador recebem mais turistas durante a festa popular do que o quanto devem receber na Copa.

O preço dos ingressos para a Copa também foi um ponto da conversa de Aldo Rebelo, que afirmou que uma parte das entradas, da categoria 4, custam menos que a média dos ingressos do Campeonato Brasileiro. “Nós recebemos uma doação da Fifa de 50 mil ingressos para o Bolsa Família e para a população indígena. Nossa preocupação não é só com a Copa, mas com ingressos de todos os eventos esportivos do país, para ter uma parcela de assentos destinados às camadas populares”.