Corintiano despreza Inter na briga por Paulinho: “não seria adversário para nós”

  • Por Jovem Pan
  • 28/11/2014 09h44
SÃO PAULO,SP,12.05.2013:PAULISTÃO/CORINTHIANS E SANTOS - Os jogadores Durval do Santos e Paulinho do Corinthians em lance durante a partida entre Corinthains e Santos, válida pela final do Campeonato Paulista 2013, no Estádio do Pacaembú em São Paulo (SP), neste domingo (12). (Foto: Marcos Bezerra/Futura Press/Folhapress)Paulinho disputa bola em Corinthians 2x1 Santos

Muito próximo de garantir vaga na Libertadores 2015, o Corinthians já pensa em reforços para a temporada que vem. Como sempre, muitos nomes novos são ventilados e até alguns retornos são especulados. Edu Gaspar, gerente de futebol do clube, não descartou uma possível tentativa para repatriar Paulinho, atualmente no Tottenham e ídolo da equipe que foi campeã mundial em 2012. Além disso, o dirigente minimizou um provável interesse do Internacional no atleta, noticiado pelo Diário de S.Paulo nessa semana. 

“O Paulinho tem as portas abertas aqui para quando quiser. Ele é queridíssimo pela torcida e internamente. O dia em que for competir com o Inter, nós estamos muito tranquilos, pois sabemos que a parte financeira não vai mudar a cabeça dele. Não creio que o Inter seria um adversário para nós”, opinou Gaspar em entrevista coletiva. 

Sobre as contratações corintianas para o ano que vem, o dirigente evitou dar um número exato de peças. “Não tenho um número de reforços. Cinco, seis, quatro…o mercado está aí, às vezes há tantas oportunidades que nos fazem contratar mais ou menos. O importante é saber quais são as necessidades”. Nomes como Edílson (ex-Botafogo), Christian (Fernerbahce e ex-Corinthians) e Fabiano (Chapecoense) já são tidos como possíveis reforços para a equipe no ano que vem. Além dos atletas, o Timão precisará definir o novo treinador, já que Mano Menezes deve deixar o cargo ao final do Campeonato Brasileiro. 

Além de ter sido ligado ao nome de Paulinho, o Internacional, juntamente com o rival Grêmio, era um dos principais interessados na punição do Corinthians em relação ao “Caso Petros”. O clube paulista, no entanto, foi absolvido pelo tribunal. “Não chega a ser um alívio, porque imaginávamos que seria assim. Se perdêssemos, acho que teríamos de rever os conceitos de futebol. Fechar as portas e abrir novamente. Seria o fim da picada tirar os pontos como tentaram tirar”, finalizou o dirigente.