Correria e fuso-horário trocado: a rotina do “gamer” Wendell Lira um ano após Puskás

  • Por Jovem Pan
  • 31/10/2016 17h31

Brasileiro Wendell Lira ganhou o Prêmio Puskás pelo gol mais bonito de 2015

Brasileiro Wendell Lira ganhou o Prêmio Puskás pelo gol mais bonito de 2015

A Fifa anunciou nesta segunda-feira os candidatos ao Prêmio Puskás de 2016. Até o anúncio do vencedor, em 9 de janeiro, porém, o dono do gol mais bonito do planeta continuará sendo o brasileiro Wendell Lira – que, curiosamente, pendurou as chuteiras e resolveu se arriscar em outras áreas do futebol menos de um ano depois de ficar mundialmente conhecido.

Hoje dono de um canal no YouTube e jogador profissional de videogame, Lira segue respirando o esporte, mas de uma outra forma. Além de um dos maiores praticantes do game Fifa no Brasil, ele é o protagonista de um canal que exibe bastidores e promove desafios com jogadores de futebol na internet.

Você acha que a rotina do ex-jogador é tranquila? Pois está enganado. Em entrevista exclusiva a Mauro Beting, para a Rádio Jovem Pan, Wendell Lira revelou bastidores dos dias que o eternizaram na história do futebol e também contou como tem sido o seu cotidiano como Youtuber e gamer.

“Fácil não é, não. Mas é muito prazeroso“, resumiu Lira. “Eu acordo umas 7h, gravo o meu conteúdo do dia e fico acompanhando a edição durante a tarde. Ao mesmo tempo, já penso no conteúdo do dia seguinte. A questão maior da internet é que o nosso conteúdo é muito atual… Então, não adianta gravar com muita antecedência“, acrescentou.

O problema, no entanto, é conciliar estas funções com as de um jogador de videogame profissional. “Tem também a questão do videogame. O pessoal joga mais de madrugada. Então eu tenho que ficar acordado de madrugada, jogando... Nesses últimos dias, eu acabei dormindo às 6h, 7h da manhã. Muitas vezes, troco o dia pela noite“, explicou.

E pensar que tudo começou justamente na noite em que Wendell Lira foi à Suíça receber o Prêmio Puskás

Na ocasião, o brasileiro foi desafiado pelo campeão mundial de Fifa para um amistoso e venceu por 6 a 1. O caso ganhou enorme repercussão, e, seis meses depois, Lira, que sempre foi craque no videogame, largou a carreira de jogador de futebol para se dedicar apenas aos games – o atleta fez nove partidas pelo Vila Nova desde então e se aposentou depois de sofrer uma série de lesões.

O campeão mundial de Fifa convidou o Cristiano, o Messi e o Neymar para jogar, mas eles não quiseram, acho que por causa da correria... E, como eu tinha descido para a festa muito tempo antes, porque estava nervoso e queria ver os caras chegarem, ele me chamou para jogar. Quando fiquei sabendo que seria contra o campeão mundial, pensei em não aceitar, mas acabei jogando, mais para passar o tempo e tirar o stressMas fui lá e ganhei de 6 a 1. Repercutiu demais aquele negócio. Tinha gente que nem me perguntava do Puskás, só do videogame“, brincou Lira. 

Tudo só foi possível, é claro, graças ao golaço que ele marcou na partida entre Goianésia e Atlético-GO, pelo Campeonato Goiano. O lance, protagonizado num Serra Dourada com menos de 400 pagantes, foi listado pela Fifa como um dos dez mais bonitos de 2015. Em votação popular, o gol de Wendell Lira levou 46,7% dos votos e venceu simplesmente as jogadas de Messi (33,3%) e Alessandro Florenzi (7,1%), sendo eleito o mais belo do mundo no ano passado.

Ali, foi um presente de Deus. Era uma noite muito atípica, choveu muito em Goiânia naquele dia. Nunca tinha visto uma chuva daquelas em Goiânia. Não tinha ninguém no estádio, e a jogada se desenhou tão bem para aquela finalização… Foi perfeito“, relembrou. “Tem um pessoal que pega no meu pé até hoje, dizendo que o gol do Messi foi mais bonito... Pode ter sido mais bonito, mesmo, mas eu ganhei, pô… O brasileiro se sensibilizou, e eu fiquei muito feliz. O mais bonito dessa história toda é ver como o Brasil se mobilizou por uma causa. Mostra que podemos mudar muitas coisas por alguém que às vezes nem conhecemos“, acrescentou. 

Na jogada, Lira trocou passes com dois companheiros, infiltrou-se na área adversária e, ao receber uma bola enfiada por elevação, não hesitou em emendar um voleio espetacular. A bola venceu o goleiro Márcio e morreu no fundo das redes do estádio que o jogador frenquentava desde pequeno. Quando marquei aquele gol, não passou nada pela minha cabeça… Até pensei que tinha sido um gol normal, porque, na hora, não deu para perceber que tinha sido tão bonito. Na minha cabeça, eu só quis acertar a bola. Nem pensei em dar voleio“, explicou. 

Só que, quando cheguei em casa, veio tanta mensagem para o meu celular, falando de Prêmio Puskás e tudo… Eu nem sabia o que era Prêmio Puskás! Só caiu a ficha depois de uns dois ou três dias. Mas nunca pensei que esse gol poderia ter sido escolhido o mais bonito do mundo em 2015. Vou levar para resto da minha vida e contar para neto, tataraneto… Foi uma honra“, encerrou.

Clique aqui e reveja o gol de Wendell que lhe rendeu o prêmio Puskás. Para ler e ouvir as entrevistas que a Rádio Jovem Pan fez com o vencedor do prêmio, clique aqui e aqui.