Criado no Palmeiras, goleiro Bruno elogia Prass e diz “até logo” ao clube

  • Por Jovem Pan
  • 17/12/2015 10h39
SÃO PAULO, SP, 05.11.2013: TREINO/PALMEIRAS - O goleiro Bruno durante treino do Palmeiras no Academia de Futebol para o jogo contra o Joinville pela 34ª rodada da Série-B do Campeonato Brasileiro, no sábado (9). (Foto: Dorivan Marinho/Folhapress)Após 18 anos e com futuro indefinido

Revelado na tradicional escola de goleiro do Palmeiras, Bruno está se despedindo do Verdão. Após 18 anos no clube, o arqueiro de 31 anos encerra seu ciclo com a camisa alviverde deixando muita gratidão ao time que o “criou”. Em conversa exclusiva com a rádio Jovem Pan, Bruno comemorou os anos no Palestra Itália e a convivência com ídolos de infância, elogiou Fernando Prass e destacou o sonho de voltar ao clube no futuro.

“São 18 anos. É uma vida inteira, cheguei no Palmeiras com 13. Sem formação. Treinei, convivi com ídolos: Evair, Marcos, Veloso, Zinho. Isso foi uma das maiores felicidades da minha vida. Isso ninguém vai tirar de mim.  Poder jogar, ser campeão na base e chegar na Seleção, chegar no profissional e conquistar títulos. Fiz de tudo no Palmeiras e foram ótimos anos. Cresci como goleiro e como pessoa”, declarou.

“Devo tudo ao Palmeiras. Por exemplo, hoje sou formado, terminei minha faculdade graças ao Palmeiras que pagou a faculdade pra mim. Tudo isso ajudou a formar não só o goleiro, mas o cidadão. Sou muito grato. Fiquei 18 anos, nunca tive empresário, fui campeão, não fiquei esse tempo porque sou bonito ou porque tenho amigos lá dentro. Isso me deixa muito feliz”, completou o goleiro que cursou Educação Física.

Muito criticado pela torcida em alguns momentos, o goleiro mostrar não guardar mágoa e valorizou os bons momentos dentro do clube. Bruno ainda destacou a conquista da Copa do Brasil em 2012 e afirmou ter vivido seu auge ao ser campeão.

“Não tenho nada a reclamar de ninguém. Tudo que fiz, a responsabilidade é minha: nos erros e nos acertos, não me arrependo de nada. Sempre dei 200% toda vez que vesti a camisa do Palmeiras. Time grande tem cobrança da torcida, da imprensa, e quando você está bem, você vai até o céu”, disse.

“A Copa do Brasil foi minha maior conquista no Palmeiras. Mas também não deixo de enaltecer todos os outros títulos na base e no profissional (Paulista e Série B). A Copa do Brasil foi o auge, o ápice, mas tenho carinho por todos os outros”, afirmou o arqueiro, eleito melhor jogador da competição em 2012.

Acostumado a revelar grandes goleiros, o Palmeiras hoje conta com Fernando Prass, um dos primeiros jogadores a defender a meta do Verdão sem ser revelado na academia de futebol. Bruno rasgou elogios ao arqueiro alviverde e destacou que bons nomes vão surgir na base palmeirense.

“Acho que o Palmeiras continua com excelentes meninos na base. Sentiram a necessidade de trazer alguém de fora, veio o Prass que é uma excelente pessoa e um excelente goleiro. Com certeza poderia ser formado na base do Palmeiras também. E com certeza ainda têm meninos bons e profissionais competentes na base do Palmeiras, os treinadores de goleiros que foram criados pelo Pracidelli… E é questão de tempo para poder aparecer um novo menino que vai dar conta do recado também”, destacou.

“Até logo” e não “adeus”, e o sonho de voltar ao clube no futuro

Disposto a seguir no futebol após aposentadoria no futuro, o goleiro de 31 anos revelou o plano de trabalhar como treinador ou na direção de algum time. Bruno destacou que espera voltar ao Palmeiras nesta condição e brincou com o goleiro Marcos.

“Eu gostaria (de voltar ao Palmeiras após encerrar a carreira). Nunca vou falar não. Eu pretendo, quando acabar a carreira, seguir como treinador, auxiliar, gerente, alguma coisa assim. Tenho planos de fazer cursos nessa área, e vamos ver, o futuro é indefinido. Outro dia brinquei com o Marcão, disse que quando eu voltasse pro Palmeiras ele seria meu auxiliar e ele topou. Então quem sabe a gente não monta uma comissão”, brincou o goleiro.